Bahia registra 5 mil novos casos de dengue em quatro semanas

Da Agência Brasil

Em apenas quatro semanas, a Bahia registrou um acréscimo de 5 mil novos casos de dengue no estado, segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep). Até o dia 25 de abril, já tinham sido notificados 60 mil casos da doença no estado.

Para controlar o aumento da doença nos municípios, principalmente em Jequié, Itabuna, Porto Seguro, Ilhéus e Salvador, os mais afetados pela dengue, foram deslocadas equipes de vigilância para estas regiões com o objetivo de dar apoio às ações de combate ao mosquito transmissor. Além disso, foi intensificado o uso de inseticidas, capacitação de profissionais e disponibilização de material informativo para a população.

Segundo a técnica da coordenadoria de agravos da Divep, Isabel Xavier, o número de leitos existentes nos hospitais e postos de saúde não são suficientes para atender à demanda. "Nos municípios de Jequié, Itabuna e Ilhéus aumentamos o número de leitos e construímos tendas próximas aos postos de saúde para dar um suporte e agilizar os atendimentos dos pacientes", disse.

Nos municípios em que a doença começou a apresentar sinais de aumento, a Secretaria de Saúde formou grupos de força tarefa e essas esquipes foram deslocadas antecipadamente para dar suporte à população e tentar minimizar a situação.

Isabel Xavier ressalta que mesmo com a quantidade de casos no estado, que é a maior registrada desde 1997, a perspectiva é de que com a chegada das chuvas, a temperatura possa diminuir e os índices da doença também.

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado na última segunda-feira (4) pela Divep, até o momento, 84% dos municípios da Bahia foram afetados. Foram registrados também 416 casos graves e 49 óbitos confirmados. Ainda há 56 casos em investigação.

Devido ao excesso de trabalho, o Hospital de Base de Itabuna funcionou na segunda-feira, durante duas horas, com 30% da sua capacidade. Os funcionários pararam as atividades para reivindicar melhores salários. Na terça-feira (5), os funcionários entraram em acordo com a Secretaria de Saúde do município e suspenderam a paralisação.

Isabel Xavier explica que os técnicos do município estão esgotados e que, desde dezembro, eles trabalham em ritmo intenso. "Acredito que a secretaria tenha negociado com eles. Porque uma greve nesse momento criaria um caos", ressalta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos