Salvador contabiliza cinco mortes em decorrência das chuvas; corpo de jovem é encontrado após desabamento

Heliana Frazão
Especial do UOL Notícias
Em Salvador

Após nove horas de trabalhos ininterruptos, o Corpo de Bombeiros de Salvador encontrou no final desta tarde o corpo de Rodrigo Cassiano da Silva, 20. O rapaz foi soterrado ontem por um deslizamento de terra na travessa 1º de Janeiro, no bairro de Pirajá, em Salvador, juntamente com dois outros colegas (Walter Antônio Moura Júnior, 22, e Leandro Vinícius Rocha da Silva, 20), sepultados também nesta tarde. Os bombeiros precisaram da ajuda de máquinas para retirar os escombros e chegar até o corpo de Rodrigo.

SERÁ QUE VAI CHOVER?

Confira a previsão do tempo para saber se vai chover na sua cidade.

No final da manhã, equipes de resgate encontraram o corpo de Fernanda Bispo, 28. As buscas pela filha dela, a menina Beatriz, 6, foram interrompidas por volta das 17h, devendo ser retomadas na quinta-feira (7). As duas foram arrastadas pela enxurrada após caírem no canal que transbordou na rua Nadir de Jesus (avenida San Martin).

O corpo de Fernanda estava preso à vegetação das margens do rio Camurujipe, dentro do canteiro de obras do metrô, na Rótula do Abacaxi. O incidente ocorreu quando mãe e filha retornavam da escola e foram tragadas pela água. Uma vizinha contou que ainda tentou ajudá-las, mas só conseguiu segurar a mochila da criança. Uma professora de Beatriz havia pedido que Fernanda aguardasse a chuva passar, mas ela não atendeu ao pedido, dizendo que estava com pressa.

No dia 22 de abril, um bebê de um mês de idade morreu vítima das chuvas chuvas na capital baiana, fato que levou o prefeito, João Henrique, a assinar o decreto de situação de emergência.

Com estes casos, ao menos cinco pessoas já morreram nos últimos quinze dias em decorrência das chuvas em Salvador. Beatriz, 6, pode ser a sexta vítima, sem contar os feridos. Num prédio de oito andares do bairro de Pernambués, que ruiu devido a infiltrações nesta madrugada, três pessoas ficaram feridas: o dono do imóvel, Aloísio de Almeida, 64, que morava no prédio com dois parentes; Lindinalva da Hora Assis, 43; e a filha dela Tamili Assis Conceição, 19. Os três foram resgatados por vizinhos e estão internados, com quadro de saúde estável, no Hospital Geral do Estado (HGE).

Jovem morre soterrado

  • Romildo de Jesus/AE

    Bombeiros localizam o corpo de Rodrigo Cassiano da Silva, 20, uma das três vítimas de desabamento ocorrido nesta terça (5) em consequência das chuvas no bairro de Pirajá, em Salvador

Nesses seis primeiros dias de maio, a capital baiana já registrou 168,8 mm de chuva, 116,7 mm somente entre terça (5) e quarta-feira (6). O esperado para todo o mês são 349,5 mm.

Situação de emergência
Desde as 22h de terça-feira (5), Salvador e outros seis municípios - Vera Cruz, Simões Filho e Lauro de Freitas, na região metropolitana, e Guaratinga, Camacan e Mascote, no sul e extremo sul da Bahia - estão sob situação de emergência. O decreto de situação de emergência para Salvador foi assinado pelo prefeito no dia 22 de abril, quando surgiu a primeira vítima fatal da chuva, um bebê de um mês de idade.

Na terça à noite (5), o governador Jaques Wagner (PT) reuniu-se com o prefeito de Salvador e dos municípios de Simões Filho e Lauro de Freitas (ambos situados na região metropolitana da capital) para avaliar os estragos provocados pela chuva intensa que caiu durante todo o dia e homologar os pedidos feitos pelos gestores municipais. Entretanto, o decreto da prefeitura de Salvador não foi acatado pelo Estado imediatamente sob a alegação de que havia inconsistência no relatório.

"A legislação é rigorosa e a situação de emergência só pode ser decretada diante de fatos consistentes, o que não era o caso", explicam assessores de comunicação social da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Jacques Wagner sobrevoou a capital baiana na terça-feira e concluiu pela necessidade de decretação da situação de emergência. Também na tarde de ontem a prefeitura encaminhou ao Estado um relatório mais bem elaborado, informaram os assessores.

O reconhecimento da situação de emergência permite à prefeitura maior agilidade para a alocação de recursos orçamentários, além da contratação em caráter excepcional, sem licitação, de pessoal, máquinas e o custeio de demais despesas necessárias às ações de combate aos efeitos das chuvas.

Estratégias de atendimento às vítimas
Nesta manhã, assessores de cinco órgãos estaduais e municipais se reuniram para elaborar as estratégias de atendimento às vítimas regiões afetadas, embora ainda não haja números definidos.

Em reunião com alguns de seus principais auxiliares, o prefeito de Salvador, João Henrique, avaliou como "bastante grave" a situação da capital em decorrência do temporal da terça. O prefeito disse que, embora tenha feito investimentos significativos na melhoria da infraestrutura da cidade, um índice atípico de chuva como o registrado na manhã de terça-feira "sempre deixa marcas".

Ele determinou a intensificação de uma série de medidas emergenciais, a exemplo da doação de lonas plásticas para cobrir pontos de risco atingidos por deslizamentos, distribuição de cestas básicas entre famílias desabrigadas e o fornecimento do auxílio para pagamento de aluguel em caso de perda total imóvel. Os benefícios são concedidos mediante cadastramento socioeconômico realizado pelo setor social da Defesa Civil de Salvador (Codesal).



Norte, Nordeste e Sul: quanto choveu e quanto se esperava, de 1/3 a 6/5; veja também os efeitos das chuvas e das secas em algumas cidades



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos