Remoção de favela completa ligação da ponte estaiada com a especulação, diz pesquisadora

Rodrigo Bertolotto
Do UOL Notícias
Em São Paulo

As últimas 46 famílias que restam na favela do Jardim Edite têm de deixar até o final do mês o local espremido entre a muralha de prédios modernos e a ponte estaiada, novo cartão postal monumental de São Paulo. Os barracos de madeira e as casas de alvenaria torta estão em processo de demolição em meio ao cenário "globalizado" que marca a paisagem da região.



"A ponte foi criada como chamariz para o mercado imobiliário, por seu caráter espetacular, afinal, não precisaria daquela estrutura toda para a transposição do rio. É para criar uma marca de distinção. Por isso, era importante para a prefeitura e as empresas tirar a favela dali", analisa a urbanista Mariana Fix, que estudou essa região entre os bairros do Itaim Bibi e o Brooklin, escolhida para albergar a chamada "nova economia" no país.

Há 30 anos, quando essa região era pontilhada com bairros populares, o metro quadrado valia US$ 100. Com a construção sobre o rio Pinheiros e a saída das favelas, esse índice pulou de US$ 1.500 para US$ 4.000. Não por nada Fix intitulou uma palestra sua com o nome "Uma ponte para a especulação (ou a arte da renda nas margens do rio Pinheiros)".

Prefeitura contesta críticas

A superintendente de Habitação Popular da Secretaria Municipal de Habitação de São Paulo, Elisabete França, contesta as críticas de sua colega urbanista Mariana Fix que o padrão do conjunto habitacional a ser construído para substituir a favela do Jardim Edite tem indícios que a Prefeitura tem intenção de transformar o local em um prédio de classe média.

A pesquisadora desconfia também que os apartamentos do conjunto habitacional que será construído no lugar da favela logo sairão das mãos das 278 famílias beneficiadas, do total de 900 que viviam por lá antes da reurbanização final. "Os apartamentos parecem dirigidos a outro perfil de morador. Pode passar em poucos anos para funcionários médios dos escritórios vizinhos. Tem até elevador, o que encarece sua manutenção", afirma Fix. A prefeitura argumenta que pode coibir, mas não proibir que se loque ou se subloque o imóvel.

O mesmo pé atrás têm os removidos. "Esse despejo é para roubar a gente. O prédio que vão fazer aqui é para doutorzinho de gravata", resume o pedreiro Francisco Souto, que vai muito mais longe em sua teoria. "Acho que o [George] Bush tem interesse nessa área. Quando ele veio aqui no Brasil, ficou nesse hotel do lado. Foi uma confusão", lembra da passagem do ex-presidente norte-americano em visita oficial à cidade em 2007.

O prefeito Gilberto Kassab tinha a intenção de desmontar a favela para a inauguração (há um ano) da ponte estaiada, que recebeu o nome de Octavio Frias de Oliveira, publisher do jornal de Folha de S. Paulo morto em 2007.

Mas um mês antes uma ação da Defensoria Pública e da Associação de Moradores do Jardim Edite barrou essa intenção. O recurso, com base no Plano Diretor de 2002 da cidade que determinava a área como de "interesse social", obrigou a prefeitura a acertar um plano de remoção e construção de moradia no local, o que ia além do cheque-despejo de R$ 5 mil.

EMARANHADO

  • Rodrigo Bertolotto/UOL

    Os fios das ligações elétricas clandestinas se confundem com a vizinha ponte estaiada

Após a decisão judicial, ficou acertada uma retirada até maio de 2009, com os moradores recebendo R$ 500 mensais até receberem de volta um lugar para morar ou sendo deslocados para unidades do CDHU nas zonas periféricas do oeste e do sul do município para continuar tendo suas casas próprias.

Segundo a secretaria municipal da Habitação, o conjunto habitacional será construído em 18 meses após a derrubada completa dos três quarteirões que compõe a favela. Além disso, há uma operação urbana para outras favelas da região do Brooklin, incluindo um túnel para ligar a avenida Roberto Marinho ao complexo Anchieta-Imigrantes, informou a assessoria da secretaria.

A Defensoria só saiu do caso quando os moradores declararam no início do ano que voltariam atrás no acordo de retirada, o que aconteceu após narcotraficantes do bairro ameaçarem quem aceitasse o acordo para sair e sequestrarem lideranças do bairro. Sobrou intimidação também para os funcionários municipais que iam ao bairro providenciar a saída dos habitantes.

Os criminosos queriam manter no local o que foi classificado como um "drive-thru de drogas", afinal, os vizinhos endinheirados e os boêmios da Vila Olímpia estacionavam seus carros na entrada da favela para comprarem entorpecentes.

Grupo de discussão

Você concorda com a retirada de favelas de regiões nobres de SP?

O caso policial virou investigação no Ministério Público, mas o processo de remoção continuou até o dia até agora, quando as famílias restantes vivem entre os escombros das outras casas.

"O processo todo tem por trás mais de 20 anos de luta por parte da população e anormalidade por parte das administrações municipais", lembra Fix, que escreveu o livro "Parceiros da Exclusão", tendo como base seu trabalho de conclusão de curso na FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da USP), que levantou que 95% dos favelados removidos tiveram uma piora em sua qualidade de vida, nas encostas dos barrancos perto dos mananciais.

Esse estudo mostra como a parceria entre prefeitura e empresas transformaram uma várzea de casebres e vielas na skyline que configura no Brasil o padrão cosmopolita, com direito a uma ponte que se repete em Hong Kong, Amã ou Lisboa para dar o toque de leveza arquitetônica tão ao gosto do mercado financeiro, que também instalou escritórios por essa região paulistana. Popularmente, porém, a ponte paulistana recebeu o nome de "estilingão" por seu formato.

Quem passa pela marginal ou desce de avião rumo ao aeroporto de Congonhas avista esse cenário de aço, concreto e vidro que recobre hotéis de luxo, shopping centers e sedes de banco, canal de TV e condomínios de alto padrão.

DEMOLIDO

  • Rodrigo Bertolotto/UOL

    A celebridade local, o rapper Sabotage, ganhou homenagem muro da favela que será derrubado

Essa São Paulo empresarial saiu do vale do Anhangabaú, rumou para a avenida Paulista, para a Faria Lima e finalmente se endereçou para essa parte da margem do rio Pinheiros. Desde o governo de Jânio Quadros (1986-88), passando pelos despejos promovidos pela gestão Paulo Maluf (1993-96) até o início das obras da ponte sob Marta Suplicy (2001-04), a questão chega até essa segunda administração Kassab, que teria como foco a revitalização do centro antigo, principalmente com o projeto "Nova Luz", cujo execução ficará na mão de uma concessionária.

Os barracos do Jardim Edite se formaram a partir de 1962 em terreno que pertencia ao DER (Departamento de Estradas de Rodagem), como outras favelas vizinhas. Essas comunidades ganharam sua cara aparente com o rapper Sabotage, criado nos becos do Brooklin para se destacar na música negra da virada do século. Ele foi assassinado em 2003. Desapareceu antes do bairro em que cresceu também desaparecer.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos