Moradores de rua protestam na Câmara de SP e pedem programa habitacional próprio

Elisa Estronioli
Do UOL Notícias
Em São Paulo

Na tarde desta quarta-feira (27), moradores de rua, militantes e entidades vão à Câmara Municipal de São Paulo reivindicar direitos e denunciar maus tratos e descaso com a população sem-teto. É o chamado "Dia de Luta da População de Rua", organizado pelo Movimento Nacional da População de Rua (MNPR), Pastoral do Povo da Rua e outras entidades que trabalham com essa população.

Anderson Lopes Miranda, coordenador do MNPR, conta que os manifestantes vão entregar uma carta aberta à população em que criticam o fechamento de vagas em albergues, a falta de diálogo com o poder público, a violência e a impunidade e a expulsão da população das ruas por meio de procedimentos considerados higienistas.

Miranda conta que, dependendo da quantidade de pessoas que conseguirem reunir na câmara, os manifestantes farão uma caminhada até a Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social. "Também preparamos um documento dizendo quantas moradias são necessárias para tirar a população da rua, quantos agentes de saúdes, para não ficar só em coisas abstratas."

Miranda afirma que o "Dia de Luta" existe desde 1992, antes mesmo da fundação do movimento, em 2004. Atualmente, o Movimento Nacional da População de Rua é mais articulado em São Paulo e Belo Horizonte.

A coordenação não faz estimativa de quantas pessoas estão engajadas no movimento: "É difícil precisar porque não temos um credenciamento, uma ficha de inscrição. Quando tem mobilização é bacana, aparece bastante gente", diz o coordenador Samuel Rodrigues, de Minas Gerais.

Mais sobre o assunto

  • Divulgação/MNPR

    Samuel Rodrigues (à direita) participa do 2º Encontro Nacional da População em Situação de Rua, no último dia 20, em Brasília. Ao lado dele estão Joel Porto de Lima, também do MNPR, e Maria Cristina Bozzi, da Pastoral do Povo de Rua

Em entrevista ao UOL Notícias, Rodrigues afirma que uma das reivindicações do grupo é programa habitacional que contemple os moradores de rua.

UOL Notícias - Como surgiu o Movimento Nacional da População de Rua?
Samuel Rodrigues -
O movimento surge [em 2004] por conta do massacre da população de rua na praça da Sé em São Paulo. Ele foi articulado naquele ano durante o Festival Lixo e Cidadania, que ocorre em Belo Horizonte.

UOL Notícias - Quais são as principais reivindicações?
Rodrigues -
Queremos um programa habitacional que contemple a população de rua, um centro de referência em direitos humanos para esta população e a não exigência de comprovação de residência para ser atendido em postos de saúde e outras instâncias.

UOL Notícias - Que conquistas vocês alcançaram?
Rodrigues -
As conquistas são mais locais. São Paulo tem uma lei aprovada que garante os direitos da população de rua. Em Belo Horizonte, conseguimos garantir a construção de três unidades habitacionais para a população de rua. Além disso, temos uma cadeira de suplente no Conselho Nacional de Assistência Social, um conselheiro social no governo estadual do Rio de Janeiro, outro no Conselho Municipal de Assistência Social de Juiz de Fora, em um Conselho Distrital de Saúde de Belo Horizonte e no Fórum Mineiro de Direitos Humanos. Como a gente é um movimento relativamente novo, as conquistas por enquanto são essas.

UOL Notícias - Há dificuldades de organização, por ser uma organização de moradores de rua?
Rodrigues -
A dificuldade é pela dispersão dessas pessoas, pela higienização,as pessoas são varridas dos centros, não tem local de permanência fixa. Fazemos trabalhos em albergues, mas neles tem muitos trecheiros (pessoas que não permanecem na cidade). Além disso, alguns começam a trabalhar e desistem da mobilização.

UOL Notícias - Como o movimento sobrevive?
Rodrigues -
Recebemos apoio, com cessão de sala, internet, telefone, principalmente da Pastoral de Rua em Belo Horizonte e do Sindicato dos Comerciários de São Paulo. No momento, estamos buscando uma verba da Unesco para fazer fóruns, encontros, elencar novas lideranças, para se fortalecer.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos