Relatório de maio sobre desmatamento na Amazônia apontará redução significativa, diz Minc

Flávia Albuquerque
Da Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, afirmou hoje (23) que o relatório sobre o desmatamento na Amazônia no mês de maio mostrará redução significativa dessa atividade em comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo Minc, este ano o desmatamento será o menor dos últimos 20 anos. O relatório, com informações do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), será apresentado amanhã (24).

Ministros da Agricultura e do Meio Ambiente se desentendem em audiência

Um desentendimento entre os ministros da Agricultura, Reinhold Stephanes, e do Meio Ambiente, Carlos Minc, marcou a audiência realizada hoje (23) pela Comissão de Meio Ambiente da Câmara dos Deputados. Stephanes chegou a classificar como antiética a atitude de Minc de criticar um profissional da Embrapa


"Vamos cumprir a meta do plano de mudanças climáticas para esse período. Isso significa que, se cumprirmos toda a meta até 2017, só com essa redução de 70% do desmatamento na Amazônia, o Brasil deixará de emitir gás carbônico mais do que a soma de todas as reduções propostas pelos países ricos, em Quioto [Japão], que não estão sendo cumpridas", disse o ministro, após participar do lançamento da campanha nacional "Saco é um Saco".

De acordo com Minc, entre os setores mais importantes ligados ao desmatamento da Amazônia, o mais descontrolado é o da pecuária. "O frigorífico não desmata, ele compra carne dos fazendeiros. Uma parte está dentro da lei e outra está fora. Nós criamos um decreto que obriga cada frigorífico a disponibilizar a lista de todos os seus fornecedores e os bancos públicos firmaram com o governo um protocolo que prevê que eles não podem financiar empresas que destroem a Amazônia", afirmou o ministro.

Ele reforçou que os frigoríficos que compram carne de fazendeiros que desmatam a Amazônia são corresponsáveis pelo crime ambiental praticado pelo fornecedor e que aqueles que comprarem dessas fazendas não terão mais crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Minc informou ainda que o governo está reunindo os dados necessários para a adoção na indústria automobilística de um selo semelhante ao usado em geladeiras e fogões. Segundo o ministro, tanto as indústrias quanto as montadoras serão obrigadas a informar a quantidade de gás carbônico emitida pelos automóveis. "O objetivo é estimular o consumo consciente, que não é espontâneo. É preciso dar informação para que o consumidor tome uma decisão que significa a melhoria da vida dele e da dos outros."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos