TJ nega pedido de policiais do Bope e da PM contra o filme Tropa de Elite

Da Agência JB

A juíza Adriana Castanho de Carvalho, da 1ª Vara Cível do Rio de Janeiro, negou pedido de integrantes do Bope e da Polícia Militar em processo movido contra a Zazen Produções e a Paramount Pictures.

O grupo de policiais buscava, entre outras coisas, indenização por danos morais pela exibição do filme "Tropa de Elite", alegando que a película denegriu a imagem da corporação, além de quebrar sigilo profissional ao mostrar as incursões do Bope nas favelas do Rio.

Os policiais contaram também que se sentiram atingidos porque foram retratados como pessoas afeitas à prática de crimes como tortura, homicídio e abuso de autoridade.

Além disso, creditam ao estúdio e à produtora da película a responsabilidade pela distribuição de cópias piratas no mercado como se ela fosse um documentário, baseado em relatos reais, e não uma obra de ficção.

"Não foram as rés que veicularam as cópias piratas, dando-lhes publicidade. Logo, os efeitos de sua divulgação não podem ser a estas imputados por ausência de nexo de causalidade", escreveu a juíza na decisão.

Para a magistrada, que julgou todos os pedidos improcedentes, não houve qualquer violação ao direito à honra ou à imagem dos autores da ação.

"Nenhuma menção se fez aos reais integrantes do Bope ou da PM-RJ, nem se procedeu a qualquer ligação dos personagens fictícios aos agentes reais. Em verdade, nenhum dos autores é passível de ser reconhecido como determinado personagem. Ao assistir ao filme, fica claro ao espectador estar diante de obra de ficção", explicou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos