Brasil confirma 69 novos casos de gripe suína; RS pode ter 1ª vítima fatal

Do UOL Notícias* Em São Paulo

Em nota divulgada neste sábado (27), o Ministério da Saúde informa que foram confirmados 69 novos casos de infecção pelo vírus influenza A, conhecido como gripe suína, nos estados de São Paulo (34), Rio de Janeiro (8), Rio Grande do Sul (7), Paraná (7), Minas Gerais (4), Distrito Federal (2), Santa Catarina (2), Espírito Santo (2), Pará (1), Maranhão (1) e Amazonas (1).

Com os novos casos, o total de pessoas confirmadas com a doença no país chega a 591.

Do total de casos confirmados, dois pacientes do Rio Grande do Sul estão internados. A Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul, com apoio do Ministério da Saúde, acompanha a evolução do quadro clínico dos pacientes. Os dois casos foram infectados no exterior. Até 25 de junho, o Ministério da Saúde acompanhava 477 casos suspeitos no país. Outros 782 casos foram descartados.

Possível 1ª vítima fatal
Nesta sexta-feira o norte-americano Michael Glenn Brannan, de 58 anos, morreu no Hospital Unimed Vale do Caí, em Montenegro, a 60 quilômetros de Porto Alegre (RS) gerando suspeitas de que o óbito foi causado pela gripe suína. O caso está em investigação e, conforme a Secretaria Estadual da Saúde e a direção do hospital, a confirmação da causa da morte será informada na segunda-feira, quando estarão prontos os resultados dos exames. A morte pode ser a primeira causada pelo vírus no Brasil.

Brannan, que apresentou indícios da doença, era engenheiro mecânico e estava no Rio Grande do Sul em viagem de trabalho. Ele chegou ao Estado em 21 de junho, domingo, porém, na quarta-feira passada foi internado no queixando-se de dores e febre. O paciente entrou em coma no dia seguinte e, posteriormente, faleceu. Gerson Antônio Reis da Silva, presidente do hospital, ressaltou que o homem permaneceu isolado no período da internação.

A Secretaria Estadual da Saúde postou nota no seu site oficial para comunicar o caso na manhã deste sábado. Até o momento, o Rio Grande do Sul registra 59 casos da doença. Outros 95 diagnósticos continuam apenas como suspeitos e 37 já foram descartados. São Gabriel, localizada no Centro do Estado, contabiliza 28 contaminados. A cidade já sofre reflexos decorrentes da gripe, como pessoas caminhando de máscaras pelas ruas, aulas e eventos suspensos, comércios e hotéis vazios. Porto Alegre, conforme o último levantamento, possui 18 infectados.

Mudanças no tratamento
Durante entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (26), o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou mudanças no tratamento dos pacientes que contraíram a gripe suína (H1N1) no país.

Receberão medicamentos apenas os pacientes com suspeita da doença que apresentarem agravamento do quadro clínico em 48 horas ou que pertencerem ao chamado grupo de risco - crianças menores de dois anos de idade, idosos, gestantes, pessoas com imunodepressão (por exemplo, pacientes com câncer, em tratamento para Aids ou em uso regular de corticosteróides), além de pacientes que tenham diabetes, cardiopatia, doença pulmonar ou renal crônica.

A medida foi tomada para evitar que pacientes que não tenham a doença sejam medicados e possibilitem a mutação do vírus e a resistência ao tratamento existente. "Quanto mais se usa o medicamento, maior a probabilidade que esse novo organismo possa sofrer uma mutação e passe a apresentar resistência", afirmou Temporão. A medida segue protocolos internacionais, ressaltou o governo.

Os pacientes que tiverem apenas suspeitas da doença e não se encaixarem nos grupos serão orientados a seguir quarentena voluntária, isolamento e tratamento compulsório.

Outras mudanças
Mais duas medidas foram divulgadas pelo ministério. O processo de confirmação de casos em uma mesma instituição, como escolas e empresas, será modificado.

Bastará a confirmação de apenas um caso de gripe suína em laboratório para que as pessoas que tenham mantido contato com o paciente, e também apresentem sintomas, sejam diagnosticadas por vínculo epidemiológico.

A outra medida anunciada é o envio de orientações às autoridades de vigilâncias sanitárias municipais e estaduais para evitar que estabelecimentos sejam fechados sem necessidade.

"Em empresas, escolas ou universidades, a suspensão de atividades deve ser tomada apenas após recomendação das autoridades de saúde pública". De acordo com Temporão, o objetivo é preservar a segurança e evitar pânico. "Houve medidas totalmente desnecessárias. Nada disso precisaria acontecer se isso fosse tomado com critérios bastante claros."

Recomendações a viajantes
O ministro reiterou que os brasileiros devem continuar evitando viajar a países que tenham transmissão sustentada da doença: Argentina, Chile, Estados Unidos, México, Canadá e Austrália. Temporão não quis comentar a reação do Chile à recomendação de que os brasileiros não viajassem mais ao país e afirmou que as recomendações são claras. "É apenas uma recomendação, quem quiser viajar, viaja", disse.

O ministro afirmou que o número de casos aumentou de forma significativa porque o vírus é novo, portanto ninguém tem defesa contra ele, pelo aumento de viajantes devido a feriados e pelo início do inverno no hemisfério sul.

*Com informações da Agência Estado

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos