Revolução de 32 acabou esquecida, diz historiador

Daniel Mello
Da Agência Brasil
Em São Paulo

A Revolução de 1932, em São Paulo, foi uma das etapas da luta pela democracia no Brasil, mas acabou caindo no esquecimento. A avaliação é do historiador Marco Villa, estudioso do movimento.

A luta dos paulistas contra o governo de exceção estabelecido por Getúlio Vargas, reaparece como um "momento importante da história política do país", com a criação, em 1997, do feriado estadual de 9 de julho, explicou Villa.

Nessa data, eclodiu em São Paulo a luta pela convocação de uma assembleia constituinte. Vargas governava desde 1930 em um regime revolucionário, com a Constituição revogada. Segundo o historiador, "esses valores de Constituição e democracia são uma espécie de tesouro de 32".


Homenagens aos ex-combatentes em SP

Alexandre Hecker, da Universidade Estadual de São Paulo, concorda que o movimento de 32 é "simbolicamente um marco na luta para conquistar um Estado de Direito".

Na avaliação do historiador, o movimento foi causado pela insatisfação da elite paulista e de parte da classe média com o governo estabelecido por Vargas. "O trabalhador aguardava uma reforma das relações trabalhistas, que viria com Getúlio Vargas", considerou.

Segundo Hecker, conflito armado decorrente da revolta desses setores da sociedade foi o mais importante no qual o país se envolveu no século 20, "ao lado da Segunda Guerra Mundial".

Além de reivindicar a elaboração de uma Constituição, a revolução foi "uma tentativa de retomada da importância que o estado de São Paulo tinha na República Velha".

Os acontecimentos de 32 ganham mais relevância se analisados no contexto do que se passava no mundo . Nos anos 30, diversos países, como Alemanha, Itália, Rússia e Portugal, viviam sob regimes ditatoriais. "Nós temos um país e uma conjuntura nos anos 30 marcada pelo autoritarismo e totalitarismo, e aqui nós estamos falando em democracia, voto e assembleia constituinte", ressaltou Marco Villa.

"A memória histórica muito frágil" do Brasil foi um dos motivos apontados por Villa como causadores do esquecimento da revolução. Outra razão seria o caráter de oposição do movimento ao presidente Getúlio Vargas, personagem consagrado no imaginário nacional por feitos como a criação da legislação trabalhista.

A apropriação da memória de 32 por "setores ultraconservadores da elite política paulista" na década de 40, com o objetivo de fortalecer um discurso "antivarguista", consolidou essa situação.

Apesar de acabar derrotada em outubro do mesmo ano, vários ideais revolucionários foram incorporados nas eleições de 1933 e na Constituição elaborada em 1934. "Essa questão de você ter voto secreto, voto da mulher, uma assembleia constituinte,é acontecimento importante em um país marcado pela supressão das liberdades", destacou Villa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos