Petrobras investirá mais de R$ 1 bi até 2011 para equipar parque tecnológico brasileiro

Nielmar de Oliveira
Da Agência Brasil
No Rio de Janeiro

De 2009 a 2011, a Petrobras planeja investir mais de R$ 1 bilhão em universidades e institutos de pesquisa para transformar o parque tecnológico brasileiro em um dos mais bem equipados do mundo no setor de energia. Convênios vão permitir a implantação de 250 laboratórios com padrão de excelência.

Entre 2006 e 2008 a empresa aplicou cerca de R$ 790 milhões na construção e modernização de instalações experimentais por intermédio de convênios com instituições acadêmicas e de pesquisa em vários estados. Somente em 2008 foram investidos R$ 440 milhões nesse segmento.

Após a promulgação da Lei do Petróleo, em 1997, que inseriu nos contratos entre as concessionárias e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) uma cláusula de investimentos obrigatórios em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) vem aumentando significativamente a parceria da estatal com o parque tecnológico do país.

Regulamentada em 2005, a cláusula estipula que pelo menos 1% da receita bruta gerada pelos campos de petróleo, onde é devida a Participação Especial deve ser investido em P&D. Desse valor, 50% irão obrigatoriamente para instituições nacionais de ciência e tecnologia.

Foram criadas no período 38 redes temáticas tendo sido convidada para cada uma delas as instituições nacionais de maior competência no seu segmento. Segundo a Petrobras, as redes abrangem temas como aumento da produção de óleo pesado, estudo de novos materiais no processo de refino e nanotecnologia aplicada à indústria de energia ao desenvolvimento de bioprodutos.

Na fase de implantação das redes e núcleos, cerca de 80% dos projetos são investimentos em infraestrutura - construção de instalações físicas e colocação de equipamentos. Os convênios já assinados, que tiveram como objeto a construção ou a modernização de instalações experimentais, vão propiciar a implantação de 250 laboratórios de padrão de excelência pelo país, com um total de mais de 250.000 metros quadrados de área construída.

A Petrobras informou que alguns laboratórios construídos e equipados por este grande programa já foram inaugurados, estando entre eles o Laboratório de Ensaios Não Destrutivos, Corrosão e Soldagem (LNDC), da UFRJ, localizado na Cidade Universitária da Ilha do Fundão, no Rio, inaugurado no dia 30 de abril deste ano. Para a empresa, esse laboratório terá "papel fundamental nas pesquisas para a produção no pré-sal". Somente nele foram investidos cerca de R$ 20 milhões, tornando-o um dos mais avançados do mundo para testes de corrosão e inspeção de materiais.

O gerente executivo do Cenpes, Carlos Tadeu, lembra que um exemplo desse tipo de parceria é o tanque oceânico, instalado na UFRJ, construído antes mesmo de ter sido criado o conceito de redes temáticas, mas o princípio é o mesmo.

"Para fazer ensaios em tanques deste porte, era necessário ir até o Japão ou à Noruega. Hoje os testes podem ser feitos aqui mesmo no Brasil. Com as redes temáticas, estamos replicando exemplos como este em todo país".

Segundo Tadeu, hoje o Brasil já está no mesmo nível dos demais países construtores de plataformas e de todos os tipos de instalações e equipamentos para o setor petróleo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos