Em áreas com circulação do vírus H1N1, tratamento não deve esperar confirmação laboratorial, diz OMS

Da Agência Brasil

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pede que, em áreas onde o vírus influenza H1N1 esteja circulando na comunidade, médicos que atendam pacientes com sintomas parecidos aos da influenza A (H1N1) - gripe suína - assumam que o vírus da pandemia é o causador. Segundo a organização, decisões com relação ao tratamento não devem esperar a confirmação laboratorial da infecção pelo vírus.

Para pacientes que apresentem a forma severa da doença ou cuja condição comece a piorar, a OMS recomenda o tratamento com o osetalmivir (Tamiflu) o mais rápido possível. Pacientes saudáveis sem agravamento da doença não precisam ser tratados com esse antiviral. O medicamento, quando prescrito corretamente, pode reduzir significativamente o risco de pneumonia (a principal causa de mortes para a pandemia e para a influenza sazonal) e a necessidade de internação.

A OMS recomenda que mulheres grávidas com a nova gripe recebam o tratamento de osetalmivir o quanto antes. Para crianças, a organização recomenda o tratamento antiviral para aquelas com quadro grave ou com risco de doença mais grave. Para crianças saudáveis, com idade superior a 5 anos, não é necessário dar tratamento antiviral a menos que a doença persista ou se agrave.

É necessário atenção à progressão da doença, como ela pode ser muito rápida um médico deve ser procurado quando qualquer um dos seguintes sinais aparecer em uma pessoa com suspeita ou confirmação de infecção pela influenza A (H1N1): dificuldade em respirar; falta de ar, expectoração com sangue; dor no peito; estado mental alterado; febre alta que persista mais de três dias; pressão arterial baixa. Em crianças os sinais de perigo incluem respiração rápida ou difícil, falta de atenção, dificuldade em acordar, e pouca ou nenhuma vontade de brincar.

No mundo, cerca de 40% dos casos graves estão ocorrendo em crianças previamente saudáveis e adultos, geralmente abaixo de 50 anos. Até o dia 13 de agosto, a doença já havia atingido 182.166 pessoas, incluindo 1.799 mortes, de acordo com a OMS.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos