Paraná possui a maior taxa de mortalidade por gripe suína do Brasil

Guilherme Balza
Do UOL Notícias
Em São Paulo

O combate à gripe suína está sendo eficiente no Brasil?


A taxa de mortalidade por gripe suína no Paraná é a maior entre os Estados brasileiros e é superior a qualquer país do mundo. No total, foram registrados no Estado - que possui 10.686.247 habitantes - 201 óbitos em razão de complicações decorrentes do vírus H1N1, o que representa uma taxa de mortalidade de 1,88 pessoas para um grupo de 100 mil habitantes.
UFTaxa de mortalidadeMortes
PR1,88201
RS0,96105
SP0,57236
SC0,5232
RJ0,3964
MS0,256
RR0,231
AC0,141
MG0,1124
DF0,072
MT0,062
RO0,061
AM0,052
ES0,052
PB0,052
GO0,032
RN0,031
PA0,022
BA0,0061
Brasil0,35687

De acordo com o diretor-geral da Secretaria de Saúde do Paraná, André Pegorer, a taxa elevada se deve ao fato de o Estado ter uma capacidade maior de identificar e notificar os casos de gripe suína. "Nós somos o Estado com o maior número de exames realizados, maior capacidade de investigação e notificação dos casos", diz.

Segundo Pegorer, o Paraná foi o primeiro Estado a receber autorização do Ministério da Saúde para processar os exames laboratoriais, em meados de julho. "Todos os casos suspeitos aqui são analisados no nosso laboratório, e não em outros Estados. Atualizamos os dados da doença de forma imediata, o que não acontece em outros locais", afirma.

Depois do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo possuem as maiores taxas de mortalidade, com 0,96 e 0,57 mortes para cada 100 mil habitantes, respectivamente. Os países com as maiores taxas são a Argentina (1,15), o Chile (0,76), Costa Rica (0,72), Austrália (0,72) e Paraguai (0,64), de acordo com dados do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças, órgão da União Europeia.

Até o mês de julho, a referência utilizada por Estados e pela Federação era a taxa de letalidade, calculada com base nos óbitos e nos casos confirmados de gripe suína. No entanto, após recomendação da OMS (Organização Mundial de Saúde), a referência passou a ser a taxa de mortalidade, que considera não os casos da doença, mas os censos e estimativas populacionais.

A mudança de paradigma ocorreu em razão da multiplicação dos casos da gripe, o que dificultaria o cálculo atualizado da taxa de letalidade.

Segundo informações do Ministério da Saúde e das secretarias estaduais de Saúde, 687 pessoas que morreram no Brasil pela nova gripe. A taxa de mortalidade pela doença no país é de 0,35 mortes/100 mil habitantes. Juntas, as regiões Sul e Sudeste concentram 96,5% das mortes contabilizadas.

Com 32 óbitos confirmados, a taxa de mortalidade de Santa Catarina é de 0,52. Já no Rio de Janeiro, onde 64 pessoas morreram pela gripe suína, a taxa é de 0,39. Mato Grosso do Sul, com seis mortes, e Minas Gerais, com 20, possuem taxas de 0,25 e 0,11, respectivamente.

Dentre as regiões, o Sul, com cerca de 28 milhões de habitantes, possui a maior taxa (1,21). Foram confirmadas na região 338 mortes pelo vírus H1N1. No Sudeste, foram 326 mortes, o que representa uma taxa de 0,40.

A região com menor taxa de mortalidade é a Nordeste (0,007), onde quatro pessoas morreram pela gripe suína. Centro-Oeste, com 12 mortes, e Norte, com sete, possuem taxas de mortalidade de 0,08 e 0,04, respectivamente.

Os únicos Estados que não registraram mortes pela nova gripe são Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Ceará, Piauí, Maranhão, Tocantins e Amapá.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos