Gilmar Mendes não vê impedimento para Toffoli assumir vaga no STF

Iolando Lourenço
Da Agência Brasil
De Brasília

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, disse hoje (19) que não vê problemas para o advogado-geral da União, José Antônio Toffoli, assumir uma vaga no Supremo em virtude da condenação em 1ª instância no estado do Amapá. "Não atribuo relevo a esse tipo de questão, a não ser que venham outros dados". E acrescentou: "A questão fundamental é isso: tem relevo para eventualmente justificar uma recusa? A princípio não me parece que seja o caso".

Toffoli e seus sócios em um escritório de advocacia foram condenados no último dia 8 de setembro pela 2ª Vara Civil do Amapá a devolver R$ 420 mil aos cofres públicos do Estado. Eles foram contratados pelo governo do Estado para prestar serviços de assistência jurídica ao governo estadual.

O presidente do STF afirmou desconhecer a ação contra Toffoli e disse que quem lida com atividade na advocacia pública ou na advocacia privada, ou quem exerce função pública, é "suscetível de ter esse tipo de ação".

Segundo o ministro, é preciso examinar em que contexto essa questão se deu. "Em princípio, me parece que isso é da normalidade de quem está exercendo atividade seja como advogado privado ou público."

De acordo com Mendes, há um padrão que está se delineando com a mídia suscitando denúncias. Ele ressaltou que é um padrão estabelecido pelo próprio Partido dos Trabalhadores em seu tempo de oposição, "fazendo pior: se associando ao Ministério Público" com os procuradores "que eram braços institucionais do PT". "O PT denunciava alguma coisa, e eles faziam logo uma ação", salientou.

O ministro lembrou que o Brasil tem essa experiência, mas que é preciso evoluir, uma vez que isso é coisa do passado. "Acho que devemos ir para o debate substancial". Mendes disse que, quando da sua indicação para o Supremo, sofreu críticas não só do PT, mas de juristas ligados ao partido como Dalmo de Abreu Dallari, por estar vinculado a AGU. "O que ele [Dallari] vai dizer hoje?", indagou Mendes.

Para o presidente do Supremo, é preciso que se discutam questões substanciais para avaliar se o indicado ao STF se está preparado para o cargo. "Quem está na vida pública está sujeito a processo. Cabe examinar se tem substância para o conceito de representação ilibada. Ter um processo contra alguém não afeta. Não me parece que seja assim, claro que isso terá que ser examinado dentro do seu contexto próprio."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos