Loja de fogos de artifício explode na Grande SP e deixa dois mortos

Do UOL Notícias
Em São Paulo

Atualizada às 20h14

Você estava perto do local que explodiu? Envie fotos e vídeos para o UOL Notícias


Uma loja de fogos de artifício explodiu nesta quinta-feira (24) em Santo André (região do ABC, na Grande São Paulo) por volta das 12h30. Diversas casas vizinhas ao local, que fica na rua Américo Guazelli, altura do número 200, no bairro Silveiras, foram atingidas.

Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil e prefeitura informam que duas pessoas morreram, um homem de cerca de 40 anos e uma mulher de cerca de 60 anos. De acordo com o comandante Luiz Humberto Navarro, do Corpo de Bombeiros de São Paulo, os dois corpos foram encontrados na parte da frente da loja. "Já está confirmado que o dono da loja não é uma das vítimas", afirmou o delegado Alberto José Alves, do 3º Distrito Policial de Santo André.

O capitão Miguel Jodas, porta-voz do Corpo de Bombeiros, que está no local e havia informado que 11 pessoas tinham morrido, corrigiu a informação por volta das 15h25. Também segundo Jodas, duas pessoas morreram.

Os dois corpos chegaram ao Instituto Médico Legal de Santo André por volta das 17 horas. A identificação dos corpos ainda não começou porque o IML aguarda a chegada dos parentes.

  • Moacyr Lopes Junior/Folha Imagem

    O carro que é visto nesta imagem estava em um elevador dentro da oficina mecânica localizada em frente à loja de fogos e foi arremesado com a força da explosão nesta quinta-feira


A Prefeitura de Santo André afirma que há 12 pessoas feridas: nove tiveram escoriações leves e foram atendidas no Centro Hospitalar de Santo André - destas, cinco já receberam alta, duas foram transferidas e outras duas seguem em observação - e outras três vítimas, também com escoriações leves, foram atendidas no Pronto Atendimento Central e já receberam alta. Segundo o Corpo de Bombeiros, há apenas uma pessoa desaparecida, depois que um jovem de 14 anos e uma mulher, ambos dados como desaparecidos, foram encontrados.

"Houve pânico e pensamos que havia caído um avião", descreve vizinha


A causa da explosão ainda não é conhecida, segundo os bombeiros. "É uma terra arrasada", afirmou Luiz Humberto Navarro, comandante do Corpo de Bombeiros de São Paulo.

O trabalho dos bombeiros é feito por escavadeiras e também manualmente. Cerca de 80 bombeiros participaram do resgate, além de 70 guardas municipais, 35 funcionários da Defesa Civil, 20 agentes de trânsito e 12 ambulâncias do Samu. Três cães farejadores da equipe de resgate de São Paulo também foram ao local em busca de outros corpos que podem estar soterrados.

Todas as ruas ao redor estão bloqueadas, com fitas de isolamento. Os bombeiros estão liberando apenas alguns moradores para pegar seus pertences. Escavadeiras retiram do local carcaças de automóveis e caminhões recolhem os entulhos. Cerca de 300 curiosos acompanharam à distância o trabalho dos bombeiros, segundo a Polícia Militar.

"Há comentários de pessoas que viram o proprietário [da loja] fora da explosão. A polícia está apurando e colocando esforços na localização deles", afirmou Mauro Lopes, porta-voz do Corpo de Bombeiros.

Veja imagens dos trabalhos de resgate


Cem desabrigados
Segundo balanço da Defesa Civil, três casas ficaram destruídas e outras 30 foram esvaziadas e isoladas. Cem pessoas estão fora de casa e estão sendo cadastradas pelo órgão, entretanto, a maioria delas preferiu se abrigar na casa de parentes.

A Defesa Civil informa ainda que nesta sexta-feira (25) avaliará a situação dos imóveis afetados pela explosão.

O teto do apartamento da vendedora Elizabeth Silva, 52, desabou. Ela não sabe onde passará a noite. "Será que a prefeitura não vai dar hotel para a gente?", questionou.

Álvara de funcionamento
A loja que explodiu se chamava Pipas e Companhia, segundo informaram comerciantes vizinhos ao local.

Durante a tarde de hoje, o prefeito de Santo André, Aidan Ravin, afirmou que o estabelecimento tinha alvará de loja e funcionava corretamente, comercializando fogos e pipas, desde 1996. No final da tarde, porém, a prefeitura divulgou uma nota afirmando que a loja não tinha autorização para vender fogos de artifício.

"Pelo cheiro e pela pólvora acumulada em recipientes no local achamos que havia fabricação, provavelmente de buscapés, bombinhas e varetas", disse o tenente Palumbo.

Depoimentos
Relatos de testemunhas dizem que a vibração da explosão foi sentida em bairros vizinhos. Uma funcionária da fábrica de embalagens Pirâmide, que fica no número 55 da mesma rua, contou ao UOL Notícias que estava almoçando em um restaurante a cerca de 1 quilômetro da loja no momento da explosão e mesmo assim sentiu os tremores. "Foi horrível, todo mundo entrou em pânico e pensou que tinha caído um avião", lembrou. (Veja os depoimentos)

Um dos feridos seria o dono da mecânica vizinha à loja, conhecido como Wagner. Segundo o dono da empresa de filtros Gradial, Almedir Botelho, que fica em frente à fábrica de fogos, o mecânico estava sozinho no momento da explosão e foi para o hospital apenas com ferimentos leves.

O empresário contou que o carro que é visto no local da explosão estava em um elevador dentro da mecânica e foi arremessado. Segundo ele, as casas da região foram destelhadas e os vidros do salão de beleza próximo à fábrica estouraram.

Local da explosão

  • Reprodução/UOL Mapas

    A explosão ocorreu na rua Américo Guazelli, no bairro Silveiras, em Santo André (SP)

  • Reprodução/UOL Mapas

    Mapa mostra o município de Santo André, no ABC Paulista; o ícone indica o local da explosão

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos