Greve dos Correios pode acabar em todo país na segunda-feira, diz federação

Guilherme Balza*
Do UOL Notícias
Em São Paulo

Após o fim da greve dos servidores dos Correios da Grande São Paulo na quinta-feira (24), a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos (Fentec) informou nesta sexta (25) que até a segunda-feira todos os trabalhadores devam estar de volta ao trabalho. De acordo com as decisões em assembleias, 16 sindicatos - dos 35 filiados - já aceitaram a proposta da empresa de reajuste de 9% a partir de agosto de 2009. Para a greve nacional acabar é necessário que 18 sindicatos encerrem a paralisação.

Bancários seguem em greve em 26 Estados e no DF

A greve dos bancários por melhores salários entrou no segundo dia com paralisação em todos os Estados, além do Distrito Federal, de acordo com a Contraf (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro). Trabalhadores de São Paulo farão uma passeata na avenida Paulista, em São Paulo, a partir das 15h desta sexta-feira.


"A nossa orientação é de que a paralisação acabe para que não ocorra uma retaliação contra os trabalhadores. Porém, não podemos aceitar o acordo bianual proposto pela empresa, ele [o acordo] é contrário às nossas reivindicações", disse o coordenador do comando de negociação, Nivaldo Schmucker.

Os sindicatos que já aceitaram a proposta da empresa são: Mato Grosso do Sul, Maranhão, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Norte, Juiz de Fora (MG), Santa Maria (RS), São Paulo, Bauru (SP), Ribeirão Preto (SP), Santos (SP), São José do Rio Preto (SP), Rondônia, Pará, Acre e Brasília (DF).

Os sindicatos do Tocantins, de Santa Catarina, Alagoas, Mato Grosso, da Paraíba, de Goiás, do Piauí, de Pernambuco e do Vale do Paraíba (SP) não aceitaram a proposta da empresa, mas decidiram voltar ao trabalho. Os demais ou decidiram manter a greve ou ainda vão se reunir amanhã (26).

Audiência no TST
Ontem (24), representantes da Fentect e da Empresa de Correios e Telégrafos (ECT) se reuniram no Tribunal Superior do Trabalho (TST), em audiência de conciliação mediada pelo ministro João Oreste Dalazen, mas não chegaram a um acordo. O ministro Márcio Eurico julgará o dissídio coletivo em data ainda não marcada.

Os trabalhadores reivindicam reajuste salarial de 41,03%, aumento linear de R$ 300 para todos os funcionários, além de redução da jornada de trabalho e contratação de mais servidores por concurso. Os Correios apresentaram sua contraproposta, que valeria para os próximos dois anos, oferecendo aumento salarial de 9%, reajuste linear de R$ 100, aumento no valor do vale-refeição de R$ 20 para R$ 21,50 por dia.

No entanto, o que mais causa rejeição entre os trabalhadores entre todos os itens da proposta da estatal é o acordo valer pelos próximos dois anos. Os funcionários exigem que o acerto valha somente até o ano que vem, segundo a Fentect.

"O governo quer fechar um acordo com as estatais pelos próximos dois anos porque quer afastar a possibilidade de greves e protestos por melhores salários em ano de eleição e, assim, evitar desgastar o candidato do presidente", diz Nilson Rodrigues, integrante da Fentect em Curitiba.

Se a maioria dos sindicatos acabar com a greve, a Fentect poderá encaminhar aos Correios um documento informando a aceitação da proposta atual. Caso isso ocorra, tudo indica que ECT manterá a proposta e pedirá o fim do julgamento de dissídio coletivo no TST.

Balanço da greve
Segundo os Correios, a adesão à greve nesta sexta-feira é de 4% dos trabalhadores, percentual que sobe para 55% na contagem da Fentect. A maioria dos trabalhadores paralisados é formada por entregadores, motoristas, operadores de triagem, funcionários de agências, motoqueiros, entre outros, segundo a federação.

A carga de entregas com atraso é de 48,8 milhões de correspondências e cerca de 300 mil encomendas, de acordo com a ECT. Considerando que o movimento diário nos Correios é de aproximadamente 33 milhões de correspondências e 770 mil encomendas, serão necessários dois dias para que as entregas em atraso sejam realizadas. A estatal informou que pretende fazer uma força-tarefa nos próximos dias - inclusive no final de semana - para atender a demanda.

Seguem suspensos os serviços com hora certa - Sedex 10, Sedex Hoje, Sedex Mundi e Disque-Coleta. O Sedex funciona, mas sem garantia de prazo para entrega, afirmam os Correios.

Questões políticas
Na sexta-feira passada, Lula palpitou sobre a greve e falou aos sindicalistas: "o bom dirigente sindical é aquele que tem coragem de começar a greve e tem coragem de acabá-la. O dirigente que fica pedindo aquilo que está além das possibilidades [da empresa], apenas para dizer que vai continuar em greve, pode levar os trabalhadores a prejuízos enormes no final das contas", disse Lula.

Nilson Rodrigues, que entregou ao presidente a lista de reivindicações da categoria, respondeu à afirmação do presidente: "o próprio Lula, quando era dirigente sindical, acabou com greves que ele não poderia ter acabado. Ele tem que rever o seu passado de dirigente sindical antes de falar isso. Inclusive a história mostra que teve momentos em que ele foi 'pelego'".

As eleições do ano que vem ocupam um papel importante dentro da negociação pelo fim da greve. Dos sete trabalhadores da comissão de negociação, três são ligados à Articulação Socialista (do PT), à Corrente Socialista Classista e à Central dos Trabalhadores do Brasil (ambas ligadas ao PCdoB), setores que apoiam o governo federal.

Os outros quatro integrantes são ligados à Conlutas (Coordenação Nacional de Lutas), Movimento Resistência e Luta e PCO (Partido da Causa Operária), correntes de oposição ao governo petista. Do grupo, só concordaram com a proposta apresentada pelos Correios os três integrantes das correntes ligadas ao governo.

Como evitar transtornos
Para evitar transtornos com a greve, a Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) orienta as empresas a disponibilizarem outros canais para que as contas que chegam por intermédio dos Correios sejam pagas, além de informar os clientes sobre a medida.

Segundo o Procon, os consumidores também têm a responsabilidade de procurar a empresa e descobrir meios de pagar as contas. "Não é porque a conta não chegou que o cliente não tem que pagar, mas as empresas têm que disponibilizar novos meios e avisá-los", afirma Fátima Lemos, assistente de direção do Procon.

Caso o cliente não receba a correspondência e não haja tempo hábil para efetuar o pagamento de outro modo, a empresa não deve cobrar multa e juros, de acordo com Lemos. "O mais certo é pagar uma segunda via sem multa e juros."

* Com informações da Agência Brasil

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos