Balanço da confederação de bancários mostra aumento de adesão à greve

Guilherme Balza*
Do UOL Notícias
Em São Paulo

A greve dos bancários continua por tempo indeterminado no país, segundo informações da Contraf (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro). Um balanço feito na noite desta segunda-feira (28) mostra que 5.786 agências permaneceram fechadas no país hoje, quinto dia de paralisação. Na última quinta-feira, o número de agências paradas era 2.881, seguido por 4.791 no balanço da sexta-feira. A greve atinge todos os 26 Estados do país e o Distrito Federal, segundo a confederação.

Termina greve dos Correios

Funcionários ligados a 32 dos 35 sindicatos que compõem a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos (Fentect) já encerraram a greve que teve início no dia 16. Considerando o estatuto da federação, segundo o qual as decisões em nível nacional necessitam de aprovação de 18 sindicatos, a paralisação da categoria terminou, segundo a própria Fentect


Os bancários rejeitaram proposta oferecida pela Fenaban, que ofereceu reajuste de 4,5% nos salários no último dia 17. A categoria pede reajuste de 10%, além de PLR (Participação nos Lucros ou Resultados) composta por três salários mais valor fixo de R$ 3.850.

A proposta da Fenaban previa pagamento de 1,5 salário, limitado a R$ 10 mil e a 4% do lucro líquido do banco. Os trabalhadores pedem ainda proteção ao emprego, mais contratações, além do "fim do assédio moral e da metas abusivas".

No sábado (26), a Contraf enviou um ofício à Fenaban informando o interesse em retomar as negociações. Em nota, a federação respondeu que irá agendar uma data para seus representantes se reunirem com os bancários.

Apoio político
Ex-presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, atualmente presidente do PT (Partido dos Trabalhadores), Ricardo Berzoini postou duas mensagens na rede de microblogs Twitter em defesa da mobilização dos bancários.

Na primeira postagem, ele afirmou: "os bancários mostram mais uma vez que sabem se mobilizar para defender seus direitos". Em seguida, criticou a posição dos bancos: "os bancos, novamente, não apresentaram proposta compatível com a situação do setor".

Apesar do apoio de Berzoini, Carlos Cordeiro, presidente atual do sindicato, afirma que os bancários "não vão fazer lobby" para sensibilizar o governo federal a ajudá-los nas negociações. "Isso a gente resolve na mesa de negociação", disse.

Cordeiro, no entanto, espera que o governo "dê uma resposta aos trabalhadores". "O governo é o maior acionista do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. O governo é banqueiro também. Portanto, nós queremos que o governo assuma seu papel na Fenaban", afirmou.

Como pagar suas contas
A paralisação das agências não altera as datas de vencimento de contas e dívidas. A Fenaban orienta a população a procurar as agências e, se caso estiverem fechadas, pagar as contas em casas lotéricas, supermercados, farmácias, pela internet ou por telefone. A lista com telefones e endereços de agências pelo Brasil pode ser consultada aqui.

A federação informa ainda que todos os serviços realizados fora das agências funcionarão normalmente, assim como os serviços de compensação de cheques, transferência de recursos via Documento de Ordem de Crédito (DOC) ou Transferência Eletrônica Disponível (TED), o recolhimento de depósitos e pagamentos nos caixas eletrônicos e o abastecimento de numerário desses equipamentos.

*Com informações da Agência Brasil

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos