Após abandono de júri, advogado de Marcola representa contra juiz na OAB

Rosanne D'Agostino
Do UOL Notícias
Em São Paulo

O advogado Roberto Parentoni, que abandonou nesta quinta (1°) o júri de seu cliente, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, entrou com uma representação na seccional paulista da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) contra o juiz que presidia o julgamento, Alberto Anderson, da 1ª Vara do Júri de SP, por cerceamento de defesa.

Advogado abandona júri,
e Marcola não é julgado



Carambola e Marcola, supostos líderes da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), são acusados de serem mandantes do assassinato do magistrado Antonio José Machado Dias, 47, juiz-corregedor dos Presídios e da Vara de Execuções Criminais de Presidente Prudente, morto com dois tiros no dia 14 de março de 2003, na saída do fórum da cidade. Os dois estão presos na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, a oeste do Estado, e seriam julgados ontem em júri popular.

O advogado, que deixou o plenário do Tribunal do Júri da Barra Funda minutos após o início da sessão, questiona pedidos negados pelo juiz para adiar o julgamento, por não ter tido acesso aos autos.

De acordo com a OAB-SP, a representação também é contra diretor da Penitenciária de Presidente Venceslau (SP), Mario Henrique Pereira. Isso porque o diretor do presídio o teria impedido de falar reservadamente com seu cliente. O pedido será julgado pela Comissão de Prerrogativas da Ordem.

Júri condena suposto líder do PCC a 29 anos por morte de juiz em SP

O julgamento, que durou mais de 14 horas, foi encerrado por volta das 4h no Fórum da Barra Funda, zona oeste de SP



"Não é a questão do Marcos [Marcola]. Está em jogo o Estado Democrático de Direito", disse após deixar a sessão. Marcola não compareceu ao julgamento. Ele deverá ser julgado somente em novembro.

Com o adiamento do júri de Marcola, provocado pela ausência do advogado, foi julgado somente Júlio César Guedes de Moraes, o Julinho Carambola, condenado na madrugada desta sexta (2) a 29 anos de prisão. O julgamento, que durou mais de 14 horas, foi encerrado por volta das 4h no Fórum da Barra Funda, zona oeste de SP.

Quase sete anos depois do crime, seis das sete pessoas do júri decidiram que Carambola é culpado pelo assassinato, cometido com motivo torpe e emboscada, qualificadoras que aumentaram a pena. A defesa afirmou que irá recorrer da sentença.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos