"Senti o coração dele batendo", diz amigo que tentou socorrer líder do AfroReggae mais de 50 min após o crime

Juliana Kalil
Do UOL Notícias
No Rio de Janeiro

Integrante do Afroreggae diz ter encontrado amigo ainda vivo

Anderson Elias dos Santos, coordenador de percussão do AfroReggae, afirmou nesta sexta-feira (23) que chegou a encontrar vivo o amigo, Evandro João da Silva, 42, coordenador social do grupo, que foi assassinado no fim de semana durante um assalto. Policiais militares foram flagrados por câmeras de segurança liberando os assaltantes e negando prestação de socorro.

"Coloquei a mão no peito dele e senti o coração dele batendo. Falei para o policial e ele me disse que era normal devido às reações do corpo", afirmou Anderson, que também disse ter se sentido impotente por não poder ajudar o amigo que estava nos braços dele.

Anderson contou que estava em casa e recebeu uma ligação de um amigo que tinha chegado primeiro que ele no local do crime, e foi correndo até lá. Levou, segundo ele, cerca de 50 minutos para chegar, mas a tempo de ver Evandro ainda vivo.

As afirmações foram feitas durante entrevista coletiva em que o comandante-geral da Polícia Militar do Rio, Mário Sérgio Duarte, afirmou que todos os policiais militares presentes na ocorrência estarão envolvidos na investigação. "Ainda não sabemos quantos estiveram no local."

Ainda de acordo com o comandante, já foi pedida a prisão preventiva dos policiais identificados pelas imagens, identificados como o capitão Denis Leonard Nogueira Bizarro e cabo Marcos de Oliveira Salles. As câmeras mostram que dois homens que haviam assaltado e baleado Silva são detidos, mas liberados pelos dois PMs, que não socorreram a vítima.

"Não dá pra se negar porque tem as imagens", finalizou Duarte.

Policial é exonerado
O governador Sérgio Cabral mandou exonerar nesta sexta-feira o relações-públicas da Polícia Militar do Rio de Janeiro, major Oderlei Santos. O pedido foi feito ao comandante-geral da PM, coronel Mário Sérgio Duarte, depois que Santos minimizou, em entrevista ontem à imprensa, a ação dos policias militares que liberaram os assassinos do coordenador do AfroReggae.

Santos havia dito que os PMs não podiam "ser chamados de criminosos" e se referiu ao episódio como "desvio de conduta". O governador afirmou hoje que o major se comportou como advogado dos policiais e que este não era o seu papel.

O governador pode pedir a exoneração imediata, porque se trata de um cargo de confiança. De acordo com a PM, o relações-públicas é indicado pelo comandante-geral da corporação.

Já os policiais militares são profissionais de carreira e devem passar por processo administrativo antes de serem exonerados. Por enquanto, os dois PMs flagrados nas imagens do assalto cumprem prisão disciplinar por 72 horas, desde a noite de quarta-feira.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos