Relatório sobre causas do apagão deve sair hoje

Do UOL Notícias
Em São Paulo

O grupo de trabalho criado pelo governo federal para analisar as causas do apagão, que deixou 18 Estados do país às escuras no dia 10 de novembro, deverá concluir seu relatório final nesta quinta-feira (10). O RAP (Relatório de Análise de Perturbação), que relata passo a passo o que aconteceu no dia do blecaute, também será concluído hoje.

A diferença entre os dois documentos é que o RAP descreve o que aconteceu e o relatório final aprofunda a análise das causas e elabora sugestões para evitar que o problema se repita.

Entre as hipóteses com as quais o governo trabalha está a de que o excesso de chuva comprometeu o funcionamento dos isoladores - equipamentos que servem para compensar elevações abruptas da tensão. Uma das possíveis soluções para evitar que essa eventual falha se repita é a instalação de guarda-chuvas para proteger os isoladores da água.
  • O governo atribui o apagão ao desligamento de três linhas de transmissão: duas que ligam Ivaiporã (PR) a Itaberá (SP) e uma que liga Itaberá à subestação de Tijuco Preto (SP). Mapa abaixo mostra como funciona o sistema de abastecimento no país

  • Fonte: Sigel e Itaipu Binacional

Relembre o caso
O apagão afetou 18 Estados do país pouco depois das 22h do dia 10 de novembro. Em alguns, como São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul, a energia só foi restabelecida ao longo da madrugada. O Paraguai, que faz fronteira com o Brasil, também teve problemas de abastecimento. Somente na região Sudeste, cerca de 50 milhões de pessoas ficaram às escuras.

Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Acre, Rondônia, Bahia, Sergipe, Paraíba, Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Norte foram parcialmente afetados pelo blecaute.

Vai-e-vem

  • As explicações do governo para o apagão que deixou 18 Estados às escuras


A falta de energia causou prejuízos para as empresas estatais que administram o saneamento básico no Sudeste. Com as máquinas sendo ligadas e desligadas, as alterações na circulação de água produziram mudanças bruscas de pressão e ressecamentos nos mecanismos, obrigando os técnicos das companhias a enfrentar turnos inesperados de reparo dos danos e manutenção das tubulações. No total, cerca de 8,5 milhões de habitantes dessa região foram afetados pelo desabastecimento.

Nos Estados mais atingidos do país, houve problemas de trânsito e diversas ocorrências, como acidentes, além do registro de crimes e mortes. Em São Paulo os bombeiros atenderam 169 chamados de pessoas presas no elevador e mais de 500 controladores de tráfego foram convocados à noite e na madrugada para orientar motoristas e ajudar a evitar acidentes. Os mais de 4.000 semáforos da cidade entraram em colapso. O metrô e os trens pararam de funcionar.

As causas do apagão foram bastante controversas. O governo fala em fatores climáticos que teriam afetado linhas de transmissão. O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, afirmou que o desligamento de três linhas de transmissão foi a causa do problema: duas delas ligam Ivaiporã, no centro do Paraná, a Itaberá, em São Paulo.

Mesmo sem o relatório final pronto, o ministério confirmou, pouco tempo depois, que o motivo do blecaute foi um curto-circuito que derrubou que três linhas de alta tensão, na subestação de Furnas, em Itaberá (SP).

Entenda a distribuição de energia no Brasil

  • Fonte: ONS

*Com informações da Agência Estado

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos