Em carta, Zilda Arns deixou missão de ajudar novas gestantes

Carlos Madeiro
Especial para o UOL Notícias
Em Maceió

Antes de viajar ao Haiti, a fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, Zilda Arns, enviou uma carta aos coordenadores e líderes das pastorais pelo país e deixou uma última missão: encontrar e atender novas gestantes.

Zilda Arns: uma vida dedicada ao próximo

  • Arquivo Folha Imagem

    Zilda Arns, 75, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança e da Pastoral da Pessoa Idosa, participava de missão humanitária e está entre as vítimas do terremoto de 7 graus que assolou o Haiti


Médica pediatra e sanitarista, Zilda Arns tinha 75 anos e foi uma das vítimas do terremoto que devastou o Haiti nesta terça-feira (12). Além dela, pelo menos outros 11 militares brasileiros morreram no país.

Na carta, Arns afirma: "no mês que vem [janeiro] tem mutirão em busca das gestantes. Comece desde já a organizar o mutirão em sua comunidade. Fique sempre de olho nas novas gestantes. Seu apoio é muito importante para que elas tenham uma gravidez saudável e feliz".

O texto foi escrito no final de 2009. A carta revela que a missionária estava esperançosa em expandir o trabalho no Haiti e animada com o crescimento da Pastoral da Criança pelo mundo.

"Neste mês estarei visitando um país onde há muita violência. Vou participar da Assembleia dos Religiosos do Haiti e tenho esperança que eles ajudem na expansão da Pastoral em todo o país. Veja como a Pastoral da Criança está crescendo e fincando suas bases em outros países! Já estamos em 20 países. Com a sua ajuda e a grandeza de Deus, a Pastoral da Criança ajuda a construir um mundo mais justo", diz um trecho da mensagem.

Zilda escreve ainda que passou pela Tailândia, onde participou do Congresso Mundial de Comunicadores Católicos. "Aproveitei para visitar nossos líderes e missionários no Timor Leste", afirma.

Por fim, Zilda se despede desejando um feliz 2010 aos coordenadores e líderes da pastoral. "Desejo que em 2010 você tenha sempre mais oportunidades de aprender e compartilhar esses conhecimento com as famílias... A você, o meu carinho especial de quem está sempre ao seu lado", finaliza.
  • EFE / Radio Tele Ginen Haiti

    Mulher se desespera ao ver escombros de casas destruídas pelo terremoto no Haiti


Missão vira ordem
A coordenadora da Pastoral da Criança em Alagoas, Maria do Amparo Torres, afirma que já iniciou o mutirão no início do mês em busca das gestantes no Estado, e vai seguir os ensinamentos de quem "trabalhava ensinando tudo que sabia com humildade".

"Essa última carta dela vou guardar para o resto da vida. Mesmo ela viajando, não deixou de destacar que os voluntários daqui do país tinha uma missão, que era encontrar novas gestantes. A morte dela aumenta o nosso ânimo, coragem e perseverança. Ela soube como ninguém perseguir, colher e transformar a vida de crianças pobres", declarou.

Alagoas foi o segundo Estado do país, após o Paraná (sede), a implantar a Pastoral da Criança. No Estado de maior mortalidade infantil do país, a instituição mantém parceria com o governo de Alagoas para reduzir os índices, e hoje atende a 26 mil crianças (10% do total existente no Estado). "Zilda sempre acreditou que seria possível formar líderes capazes de combater a mortalidade infantil em todo o Brasil. Ela tinha grande atenção com o Estado", afirmou Torres.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos