Kassab diz que população deve "ficar tranquila", porque ações para evitar alagamentos "estão surtindo efeito"

Do UOL Notícias
Em São Paulo

Atualizada às 14h29

Mesmo diante dos inúmeros alagamentos registrados na capital paulista nesta quinta-feira (21), que provocaram caos na cidade, a morte de pelo menos seis pessoas e congestionamentos muito acima de média, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) disse nesta quinta-feira (21), durante entrevista coletiva, que a população deve "ficar tranquila", porque "não houve falhas", os investimentos feitos para evitar alagamentos na cidade "estão surtindo efeito" e não é preciso investir no desassoreamento dos rios Pinheiros e Tietê.

Questionado sobre os planos da prefeitura para resolver os alagamentos e os transbordamentos das marginais, Kassab desconversou e disse que os "investimentos bastante maiores serão mantidos". Para ele, os problemas não são culpa da administração pública, mas resultado de uma combinação entre chuvas muito intensas e crescimento desordenado.


Em relação à Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), que mais uma vez sofreu com a água que invadiu a área da rede de armazéns e um complexo de 13 centrais atacadistas, o prefeito afirmou que "sempre que as marginais alagam, a Ceagesp acaba sendo alagada, mas a limpeza está sendo providenciada".

Ele informou ainda que o rodízio de veículos não foi suspenso na manhã de hoje, porque "a chuva aconteceu durante a madrugada e as pessoas já sabiam".

Segundo Kassab, o lixo da capital já havia sido coletado quando o temporal aconteceu. "Mas não podemos esquecer a dimensão da cidade de São Paulo", ressaltou. "O serviço está sendo melhorado a cada dia".

De acordo com o prefeito, a Vila Mariana, zona sul de São Paulo, teve um índice pluviométrico de 112 milímetros, o que, segundo ele, é talvez o "maior nível de chuvas na região nos últimos 50 anos".

Kassab disse ainda que, até o fim de junho, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) fará um mapeamento das áreas de risco para permitir que a Prefeitura, ao realizar investimentos em habitação, "erre pouco ou quase nada" e "beneficie áreas mais críticas".

Durante os últimos dois meses, empreendimentos públicos como os apartamentos da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU) e o Centro Educacional Unificado (CEU), construídos no Jardim Pantanal, zona leste da cidade, ficaram alagados.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos