BNDES negocia com 12 países doações para Fundo da Amazônia

Flávia Villela
Da Agência Brasil
No Rio de Janeiro

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) iniciou há cerca de três semanas conversas com 12 países para futuras doações ao Fundo da Amazônia, criado em agosto de 2008. O BNDES é gestor do fundo, que conta atualmente com uma carteira de cerca de 50 projetos, dos quais cinco já foram aprovados e oito estão em fase de análise final.

A informação foi dada hoje (26) pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e por integrantes da equipe da área de meio ambiente do BNDES, no Rio, durante o lançamento do livro Amazônia em Debate: Oportunidades, Desafios e Soluções.

Os nomes dos países não foram divulgados. “A ideia é não constrangê-los. Os países é que deverão anunciar a doação”, disse o ministro. Ele adiantou que uma das negociações já está bem avançada.

Hoje, o Fundo da Amazônia conta apenas com a Noruega como doador. O país prometeu dar ao fundo U$ 1 bilhão até 2015 - cerca de U$ 400 milhões já foram doados. Os cinco projetos já aprovados estão orçados em aproximadamente R$ 75 milhões.

Minc informou que se reuniu ontem com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, para buscar formas de acelerar o nível de execução dos projetos do fundo. “Tomamos uma série de medidas. O BNDES vai reforçar a atuação na região, colocar mais gente na equipe. Mas manteremos o rigor e a qualidade, pois não podemos afrouxar, porque senão pode entrar ecopicaretagem no meio e ninguém mais vai querer investir no fundo”.

O fundo foi criado para promover projetos de prevenção e combate ao desmatamento e para a conservação e o uso sustentável das florestas no Bioma Amazônico. Segundo o ministro, o Brasil trabalha para que o fundo deixe de ser necessário num futuro próximo, quando a Amazônia parar de ser desmatada “e tiver sido criada uma cultura de preservação na região”.

O ministro lembrou que outros dois fundos devem ser lançados em breve: o Fundo Cerrado e o Fundo Clima. Este último foi sancionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em dezembro passado e está em fase de regulamentação, com recursos anuais estimados em cerca de R$ 1 bilhão, originados de 10% do lucro do petróleo.

“O Nordeste vai ser o maior beneficiado desse fundo, já que será a região mais afetada pelas mudanças climáticas. Temos que nos antecipar antes que metade da população tenha que sair de lá”. O Fundo Cerrado deve sair em junho deste ano, segundo Minc.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos