Conferência Nacional de Defesa Civil aprova mais de cem diretrizes contra desastres naturais

Alex Rodrigues
Da Agência Brasil
Em Brasília

A criação da carreira de agente da Defesa Civil, a implementação do Fundo Nacional de Defesa Civil e a obrigatoriedade dos governos estaduais e municipais constituírem conselhos de Defesa Civil, com a participação da sociedade, foram algumas das mais de cem propostas aprovadas ao final da 1ª Conferência Nacional de Defesa Civil, encerrada ontem (25), em Brasília.

Segundo a secretária nacional de Defesa Civil do Ministério da Integração Nacional, Ivone Valente, o resultado da votação encerrado por volta das 22h desta quinta-feira ainda não é conclusivo, porque será necessário organizar as 103 resoluções aprovadas por eixos temáticos e encaminhá-las para a aprovação do Conselho Nacional de Defesa Civil, que deve se reunir no início de abril.

De acordo com Ivone, esta última etapa não contará com a participação dos representantes da sociedade já que o conselho, presidido por ela própria, é composto exclusivamente por membros de diversos ministérios.

“Uma das propostas aprovadas ontem é a de que o conselho passe a contar com participantes da sociedade e de gestores de Defesa Civil. No momento não há como fazer isso sem antes realizar a reforma do conselho”.

Ivone disse que o conjunto de resoluções aprovadas recebeu ao menos 70% dos votos dos quase 900 delegados presentes à votação. Ao todo, cerca de 1.500 delegados municipais e estaduais estavam habilitados a participar do evento e votar.

Ao destacar a importância das propostas de criação da carreira de agente da Defesa Civil e da constituição do Fundo Nacional, a secretária frisou que o mais importante é transformar em lei a Política Nacional de Defesa Civil, criada em 1994 e revisada em 2005.

Já o advogado José Magalhães - que integrou a comissão organizadora do evento como representante da sociedade civil na condição de membro da Cáritas Brasil – destacou a obrigatoriedade de que Estados e municípios criem seus conselhos e que o conselho nacional seja reestruturado para permitir a participação de cidadãos em número igual ao de representantes dos órgãos de governo.

“O ponto chave da conferência será a implementação das diretrizes aprovadas. De nada adiantará realizar um evento como este se os resultados alcançados não forem colocados em prática. Por isso será importante o monitoramento da sociedade civil”, concluiu o advogado.

Para Tatiana Reichert, presidente da Associação dos Desabrigados e Atingidos da Região de Baús (SC), uma das áreas mais afetadas pelas fortes chuvas que atingiram o estado em 2008, o número de propostas aprovadas mostra a importância do tema.

“Demos um primeiro passo e eu não acredito que a sociedade civil permitirá que essas resoluções não sejam levadas adiante e postas em prática”.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos