Depoimentos do casal Nardoni comprometem estratégia da defesa

William Maia
Do Última Instância

Os depoimentos prestados por Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá nesta quinta-feira (25/3) comprometeram a estratégia da defesa de desqualificar a prova mais contundente, até o momento, para incriminar o pai da menina Isabella Nardoni. Ela foi jogada do 6º andar do edifício London, onde Alexandre morava, no dia 29 de março de 2008.

Tanto Alexandre como Anna Jatobá disseram ao júri que ele segurava o filho Pietro no colo no momento em que encostou na rede de proteção da janela e viu que Isabella estava caída no gramado do condomínio. No momento em que Anna confirmou o que o marido havia dito no depoimento anterior, a assistente de defesa, Roselle Soglio, levou as mãos ao rosto e balançou a cabeça, em sinal de reprovação.

Essa versão contradiz o laudo pericial segundo o qual as marcas da camiseta que Alexandre usava no dia do crime batem com a tela de proteção, mas seriam causadas se ele tivesse ficado debruçado com os dois braços para o lado de fora da janela, com a pressão de quem segura um objeto de 25 kg —o peso de Isabella.

Com base nesse laudo, a períta Rosângela Monteiro disse categoricamente que Alexandre defenestrou a filha (a jogou violentamente pela janela).

O que compromete a versão do casal é o fato de a camisa de Alexandre ter marcas nos dois ombros, além de nenhum vestígio da rede ter sido encontrado em Pietro.

A defesa pretendia contestar a precisão do laudo, já que o teste do IC (Instituto de Criminalística) não reproduziu exatamente as mesmas condições do apartamento no dia do crime. Os peritos construíram em laboratório a janela do apartamento, reproduzindo detalhes da rede, como tensão e tipo de fibra. O IC utilizou então um modelo com o mesmo peso e altura de Alexandre (vestindo uma camiseta de fibra parecida), mas fez o teste sobre uma mesa, enquanto o homem que matou Isabella estava ajoelhado sobre um colchão.

Roselle Soglio questionou a perita, durante o depoimento, se essa diferença não poderia causar uma alteração no resultado do teste, provocando marcas diferentes na camiseta. Defendendo as conclusões do laudo, Rosângela disse que sim, haveria uma alteração, já que o modelo “afundaria” no colchão, mas que a disparidade entre 2 e 3 cm de altura não faria diferença para o resultado do teste.

Soglio rebateu na sequência. “Faz diferença sim, mas isso será provado mais à frente”. As discussões sobre as provas ocorrem hoje na fase de debates entre acusação e defesa, que começou às 10h26 e deve durar nove horas. Os advogados ainda tentarão colocar essa prova em dúvida.

Hoje

O veredicto do casal só deve ser conhecido à 1h da madrugada de sábado (27/3). Segundo a previsão oficial, que deverá ser mudada ao longo do dia, a votação dos jurados começará às 22h30 e deve durar uma hora. Depois disso, o juiz reservou também uma hora para a elaboração da sentença com a dosagem do tempo de pena a ser cumprida em caso de condenação.

No entanto, como o julgamento de hoje começou com quase 30 minutos de atraso, essa expectativa não deve ser mantida.

Segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo, será liberado o áudio da leitura da sentença no saguão do Fórum de Santana.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos