Mortes por gripe suína em todo o mundo chegam a quase 17 mil, diz OMS

Do UOL Notícias
Em São Paulo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou hoje (26) que 16.931 pessoas já morreram vítimas da influenza A (H1N1) – gripe suína em todo o mundo. Foram registradas 118 novas mortes provocadas pela doença na última semana, já que o último balanço do órgão indicava um total de 16.813 óbitos.

Na última quarta-feira (24), o Comitê de Emergência da OMS decidiu manter o nível de pandemia para a gripe suína. De acordo com o órgão, há a constatação de queda de casos da doença em alguns países, mas há também indícios de alto nível de transmissão no Oeste da África.

Brasil
O Ministério da Saúde informou que só neste ano foram confirmadas 36 mortes por gripe suína (Influenza A – H1N1) no Brasil. Os dados, apresentados ontem, correspondem ao período de 1º de janeiro até 20 de março. O órgão não informou os dados por Estado, mas o maior número de mortes ocorreu na região norte.

Só o Estado do Pará registrou 22 mortes, entre elas de sete gestantes. Os casos de óbitos aconteceram nos municípios de Parauapebas (3), Belém (3), Cametá (3), Ananindeua (2), Santarém (2), Barcarena (1), Benevides (1), Bragança (1), Castanhal (1), Capanema (1), Jacundá (1), Moju (1), Paragominas (1), e Tailândia (1).

De acordo com o ministério, pelo menos 3,6 milhões de pessoas foram vacinadas contra a doença. Na primeira etapa da campanha, que vacinou povos indígenas e profissionais da área de saúde, foram 1,5 milhões de vacinas. Na segunda etapa, que está em andamento, foram vacinados ao menos 2,1 milhões de brasileiros pertencentes aos grupos gestantes, menores de dois anos e pessoas com doenças crônicas. O ministério pretende vacinar cerca de 90 milhões de brasileiros em toda a campanha.

Falta de vacinas
A assessoria de imprensa do ministério confirmou que as vacinas não chegaram a algumas cidades do Rio de Janeiro, mas responsabilizou as secretarias municipais de Saúde, que, segundo o órgão, não teriam retirado as doses na Secretaria de Saúde do Estado. Além do Rio de Janeiro, há registros pontuais de postos de saúde em outros Estados que não receberam a vacina, segundo o ministério.

O diretor da Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, Eduardo Hage, também classificou como pontuais as falhas na entrega de vacina contra a gripe suína em algumas cidades do país. De acordo com ele, a distribuição do imunizante está regularizada e não há perspectivas de que problemas possam ocorrer. Ele informou que vacinas serão entregues em seis parcelas. "Isso traz um pouco mais de dificuldade."

Hage, no entanto, disse que o Ministério da Saúde está cumprindo o cronograma e que nenhum Estado relatou até agora falta de vacina. O diretor confirmou que em algumas cidades há registros de que a vacinação está sendo feita em pessoas que não estão no perfil definido pelo Ministério da Saúde. Ele também afirmou que estas falhas são pontuais e que isso não traz risco para atendimento à população considerada de maior risco.

De acordo com ele, as pessoas que não conseguirem se vacinar na etapa prevista para seu grupo poderão procurar postos de vacinação em outro momento. "A recomendação é de que haja flexibilidade. Se a pessoa estava viajando, com problemas de saúde, ela pode procurar, mesmo terminado o período para seu grupo, os postos de vacinação."

*Com informações da repórter Paula Laboissière, da Agência Brasil, e da Agência Estado

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos