Plano para remoção de famílias em áreas de risco ficará pronto até quarta, diz Cabral

Do UOL Notícias
Em São Paulo

Moradores de áreas de risco criticam remoção e auxílio aluguel do governo

Atualizado às 21h41

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, anunciou na tarde desta segunda-feira (12) durante uma vistoria no morro do Bumba, em Niterói, que até a próxima quarta-feira (14) estará pronto o Plano Diretor de Remoção que mapeará todas as áreas de risco do Estado.

As remoções serão feitas segundo quatro classificações: baixo risco (cor azul), médio risco (cor amarela), alto risco (cor vermelha), e altíssimo risco (cor preta). Segundo Cabral, “essa classificação é importante para que o poder público possa priorizar os casos mais graves”. Ele ainda lembrou que o sucesso do Plano Diretor dependerá da adesão das prefeituras.

De acordo com Cabral, as áreas que estiverem classificadas na cor preta terão remoção imediata. “Já temos algumas áreas mapeadas e, por exemplo, 80 famílias serão removidas imediatamente do morro do Céu”, disse. “Todo o modus operandi se dará através da gestão de cada município, mas com subsídios do governo do Estado, por isso é importante que as prefeituras participem do plano diretor”, completou o governador.

Ele afirmou ainda que durante um ano o aluguel das famílias removidas será pago pelo Estado e esse será o prazo máximo para que recebam uma casa nova. O governador anunciou também que no próximo dia 15 ele se reunirá com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e com secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin Filho, para a liberação de R$ 5,3 bilhões do Plano de Ajuste Fiscal para o Estado do Rio de Janeiro, sendo que R$ 1 bilhão, segundo o governador, será aplicado exclusivamente na área de habitação.

Vítimas
Até o momento, 232 mortes foram confirmadas pelo Corpo de Bombeiros em todo o Estado --147 mortes em Niterói, 65 no Rio, 16 em São Gonçalo, uma em Petrópolis, uma em Nilópolis, uma em Paracambi e uma em Magé. O número de vítimas, entre mortos e feridos, chega a 393.

Segundo a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado do Rio de Janeiro (Arpenrj), pelo menos 54 pessoas ainda estão desaparecidas no morro do Bumba, em consequência do deslizamento de terra ocorrido na noite do último dia (7). De acordo com o presidente da Apenrj, Cláudio Almeida, foram cruzadas as listas dos mortos já identificados e as informações dos vizinhos e parentes sobre desaparecidos, além das de um cadastro que havia do Programa de Saúde da Família (PSF) da prefeitura de Niterói, com o nome dos moradores de cada residência.
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos