Corregedoria vai ouvir policiais que estavam de plantão no dia da morte do pedreiro

Roberta Lopes
Da Agência Brasil
Em Brasília

A Corregedoria da Polícia Civil de Goiás informou que vai ouvir amanhã (20) à tarde o depoimento dos policiais que encontraram o pedreiro Adimar da Silva morto na cela da Delegacia de Repressão a Narcóticos (Denarc) em Goiânia (GO) no domingo (18). Silva era acusado de molestar sexualmente e matar seis jovens em Luziânia (GO), cidade próxima a Brasília (DF).

O corregedor da Polícia Civil, Sidnei Costa e Souza, disse que vai tomar o depoimento dos dois agentes que estavam de plantão no dia da morte do pedreiro. Além disso, ele informou que trabalha com a hipótese de o pedreiro ter cometido suicídio.

“Temos o dever de apurar todas as circunstâncias. Aparentemente foi suicídio, mas solicitamos todos os exames ao Instituto Médico Legal para termos certeza de que não houve ingestão de qualquer substância”, informou.

O corpo do pedreiro está no IML de Goiânia e, após os exames, será liberado para a família.

Ontem (18), o Ministério Público Federal em Goiânia solicitou que dois promotores de Justiça da área criminal acompanhem as investigações sobre a morte. O MP pediu ainda que o promotor Ricardo Rangel, que acompanhou todo o caso, vá para Goiânia acompanhar a investigação da Corregedoria da Polícia Civil juntamente com os outros dois promotores.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos