Palácio de Verão é mais frequentado por macacos que por governadores

Rodrigo Bertolotto

Do UOL Notícias
Em São Paulo

Mais um verão se foi. Mais um governador se foi (e novamente para concorrer à presidência do país). E de novo o Palácio de Verão não viu sinal do mandatário paulista. O último a passar temporada por lá foi Mário Covas há dez anos.

 

Encravado no meio do Horto Florestal (zona norte de São Paulo), a residência oficial é mais visitada pelos macacos que povoam a mata do entorno. “Os macacos interagem com os visitantes e parece até que estão participando de algo atividade. Tem vezes que tentam entrar na cozinha do palácio”, conta Ana Cristina Carvalho, a curadora do acervo artístico-cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo.

  • Reuters

    Dançarinos diante do Palácio de Verão em Postdam (Alemanha)

  • Menino escala fonte do antigo Palácio de Verão de Pequim

A mansão governamental é também um museu. Há uma parte privativa, que serve de morada para autoridades. Mas a maior parte do prédio está aberta, com exposições de arte e mobiliário, além de cursos e palestras. “A abertura ao público como museu somou-se à função inicial de hospedagem do governador em exercício. Agora é um palácio-museu”, explica Carvalho.

Aristocracias de todo o mundo ergueram palácios de veraneio, geralmente em locais de montanha ou à beira-mar para refrescar os poderosos durante o calor da estação. Os imperadores da China, os czares da Rússia, os marajás da Índia, os papas católicos e diversos monarcas europeus contaram com essas residências.

No Brasil não foi diferente. Dom Pedro 2 construiu um em Petrópolis. Hoje, o palacete neoclássico abriga o Museu Imperial.

Essa tradição se alongou na fase republicana do país: os presidentes têm pousada garantida no palácio Rio Negro, também na cidade imperiosa da serra fluminense. Por outro lado, vários Estados dispõem de residências desse tipo para seus governadores – no Rio Grande do Sul está em Canela (serra gaúcha), no Rio se localiza na ilha de Brocoió, ao lado de Paquetá, e até o calorento Maranhão conta com a sua.

A versão paulista foi idealizada por Adhemar de Barros, governador que transferiu a sede do poder para o palácio dos Bandeirantes e ainda instituiu o Palácio de Inverno na cidade de Campos de Jordão.

Em estilo eclético entre o neocolonial e o campestre inglês, a mansão foi construída na década de 1930 para ser a residência do administrador do então serviço florestal do Parque Estadual da Cantareira, criado a partir de 1890. Por seu clima, topografia e vegetação privilegiadas, foi escolhida por aquele que foi três vezes mandatário estadual (de 1938 a 1941, de 1947 a 1951 e de 1963 a 1966).

  • Folha Imagem

    O palácio Rio Negro serve ao verão presidencial em Petrópolis

  • Folha Imagem

    A mansão de verão dos czares russos em São Petersburgo

Foi nesse último mandato que completou o projeto palaciano que já alimentava em sua segunda passagem pelo poder local. Diversos governadores se alojaram por lá, e uma reforma foi feita em 1985 para abrigar o então presidente eleito Tancredo Neves antes seu quadro de saúde o impossibilitasse de assumir o poder para dar fim à ditadura militar.

Outra convalescença marca a história do local. Em 2001, Mário Covas passou no palácio serrano os últimos dias antes da internação hospitalar e da morte por câncer. “Covas costumava ficar nesta habitação, que então era o quarto. Hoje está transformado em uma espécie de escritório”, conta Carvalho em seu tour pela casa oficial, apresentando a sala de estar com sua lareira e a sala de jantar e sua louçaria.

Afortunadamente, os macacos não chegam até lá. No máximo, investem contra a cozinha nos dias em que tem buffet para algum evento. Caso contrário, eles se contentam com o que as pessoas oferecem nos gramados em torno da casa. Além deles, a fauna local conta com capivaras, gambás, garças e tucanos.

Nestes próximos meses, quem reina no Palácio de Verão estão os internos do hospital psiquiátrico do Juquery. A exposição “Zonas de Contato” traz pinturas de pacientes-artistas que passaram pelo tradicional complexo hospitalar da Grande São Paulo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos