Em cidades mais atingidas pela dengue, número de casos aumenta até 2.000%

Raquel Maldonado
Do UOL Notícias

Em São Paulo

  • Marcia Ribeiro/ Folha Imagem

    Agente encontra larvas do mosquito da dengue em criadouro na cidade de Ribeirao Preto (SP)

    Agente encontra larvas do mosquito da dengue em criadouro na cidade de Ribeirao Preto (SP)

Em alguns dos municípios brasileiros mais atingidos pela dengue em 2010, o aumento no número de casos da doença chegou a ultrapassar os 2.000% de um ano para outro.

Segundo levantamento do Ministério da Saúde, seis cidades concentram 28% dos registros da doença: Goiânia-GO (7,5%), Campo Grande-MS (7,1%), Belo Horizonte-MG (5,2%), Rio Branco-AC (4,1%), Ribeirão Preto-SP (2,6%) e Porto Velho-RO (1,6%). As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (10).

Porto Velho, capital de Rondônia, é um exemplo de município que apresentou elevado incremento nos casos de dengue este ano. Apesar de a prefeitura defender que a epidemia está controlada, os dados deste ano assustam quando comparados aos de 2009. De janeiro a abril, observa-se um aumento de 2.218% no número de casos: no ano passado foram 272 notificações contra 6.306 nesse mesmo período em 2010.

Segundo os dados divulgados pela Secretaria de Saúde do município, o pico da epidemia ocorreu no início do ano. Do total, mais da metade dos casos (3.655) foram registrados somente em janeiro. Segundo o levantamento, em abril apenas dois casos foram confirmados.

O estudo aponta ainda que, assim como no ano passado, em 2010 apenas uma morte foi confirmada pela Secretaria de Saúde.

Ruth Bessa, chefe do departamento de Vigilância Epidemiológica de Porto Velho, disse ao UOL Notícias que o número de casos deste ano começou a diminuir após uma mobilização popular. “No período mais crítico conseguimos mobilizar 600 alunos da escola de polícia, além de 100 policiais militares e 150 agentes do Corpo de Bombeiros, que atuaram diretamente nas ações de combate ao vírus”, disse.

Ela também frisou que devido às condições climáticas e ao poder de adaptação do mosquito da dengue, durante todos os meses do ano há uma média de cinco a dez registros de casos da doença. “O mosquito se instala dentro das residências e, por isso, mesmo após o período mais crítico, continuam aparecendo casos”, afirmou.

De acordo com Bessa, durante todo o ano são promovidas visitas domiciliares com o objetivo de eliminar os focos e difundir os trabalhos de educação e conscientização.

Campo Grande
A capital do Mato Grosso do Sul também apresentou um aumento substancial nos registros de casos de dengue em 2010. De acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Saúde municipal, desde janeiro até a primeira semana de maio foram notificadas 37.138 ocorrências da doença. Dos notificados até o final de abril, 4.241 foram confirmados.

Se comparado a 2009, quando 314 casos da doença foram confirmados, constata-se um aumento de 1.250% este ano.

Somente no primeiro mês de 2010, foram confirmados 2.277 casos; em fevereiro, foram 1.547; em março, 273 e em abril, 144 casos. Em maio ainda não se tem o número de confirmações, porém 530 casos suspeitos foram notificados.

O levantamento da Secretaria de Saúde informa ainda que desde janeiro 11 pessoas morreram devido à doença. A causa de outras nove mortes ainda está sendo investigada. Em 2009, apenas duas mortes foram confirmadas.

Ribeirão Preto
No caso do município localizado no interior paulista, um levantamento revela que os casos de dengue na cidade sofreram aumento de pelo menos 224% com relação a 2006, ano recordista em registros da doença. Há quatro anos, foram registrados 4.965 casos confirmados até o último dia do mês de maio. Na ocasião, duas mortes foram notificadas.

De janeiro até o dia 10 de maio deste ano, 16.088 casos de dengue foram confirmados. Além disso, outros 4.522 casos suspeitos ainda aguardam resultados. Três mortes ocorreram por complicações da dengue e dois casos por febre hemorrágica do vírus. Segundo o governo municipal, todas as vítimas eram idosas e tinham alguma doença associada.

Em entrevista ao UOL Notícias, Maria Luisa Santamaria, diretora do departamento de Vigilância em Saúde de Ribeirão Preto, disse que desde a semana do dia 10 de abril, quando o número de casos registrados chegou a 2.300, está havendo uma queda bastante acentuada no número de casos. Segundo ela, no período entre o dia 2 e o dia 8 de maio foram registradas 1.300 ocorrências.

Santamaria afirma que das 22 mil suspeitas desde o início do ano, houve 115 internações e cinco mortes. “Isso quer dizer que temos um sistema de saúde muito bom. Nosso trabalho de combate à dengue é bastante atuante. Fazemos avaliações em tempo real caso a caso e nos comprometemos com a busca ativa de casos. Tratamos com prioridade o processo de localizar novos casos, pois somente assim poderemos dar uma assistência adequada, além de prevenir novas vítimas”, afirma.

A representante da Secretaria da Saúde disse ainda que a condição climática de Ribeirão Preto facilita a transmissão. “Nossa situação climática é complicada. É uma verdadeira estufa. Nossa temperatura média é entre 27ºC e 30ºC e a umidade é bastante elevada. Isso sem dúvida interfere na proliferação do mosquito e, consequentemente, na velocidade de transmissão da doença."

Santamaria defende a adoção de uma legislação mais dura com relação à destinação de descartáveis, afirmando que a quantidade de plástico jogado nas ruas de forma inadequada interfere no processo.

Goiânia
Ocupando o primeiro lugar no ranking dos municípios com maiores números absolutos de casos de dengue no Estado de Goiás, a capital Goiânia registrou até o dia 1º de maio, 37.034 casos suspeitos da doença.

Se comparado aos casos registrados durante todo o ano de 2009, ano em que o município registrou a pior epidemia de dengue da história, houve um aumento de 27%. Segundo Cristina Laval, diretora de Vigilância em Saúde de Goiânia, a cidade não trabalha com casos confirmados.

Até o primeiro dia deste mês, foram notificadas 11 mortes pela doença, sendo que cinco foram por febre hemorrágica do vírus e seis de dengue com complicações. Segundo a Secretaria de Saúde, 14 mortes ainda estão sendo analisadas.

Brasil registra aumento de 80% nos casos de dengue

O Ministério da Saúde registrou do dia 1º de janeiro até o dia 3 de abril, 447.769 casos de dengue em todo o país. O número representa um incremento de 79,85% em relação ao mesmo período de 2009, quando foram notificados 248.970 casos. O balanço foi divulgado na tarde desta segunda-feira (10). O levantamento indica ainda que 81% das notificações de dengue nas 13 primeiras semanas do ano estão concentradas em 7 Estados

Laval afirma que 60% das vítimas eram do sexo masculino. Além disso, a diretora afirma que, na maioria vezes, as pessoas apresentavam uma doença crônica, como diabetes, problemas cardíacos ou respiratórios.

De acordo com Laval, desde a última semana de janeiro está havendo uma queda significativa no número de casos no município. Segundo os dados divulgados pela Secretaria, o pico da doença ocorreu entre os dias 17 e 23 de janeiro, quando foram registradas 4.216 casos.

“A partir de então, o número vem caindo a cada semana. O último balanço mostra que houve somente 467 casos do dia 25 de abril ao dia 1º de maio, uma redução de quase 89% desde o início do ano”, ressalta Laval.

A diretora atribui a queda à chegada do período de seca, porém não deixa de dar crédito às ações de combate ao mosquito. “Nesta última semana observamos uma redução muito expressiva, porém isso vem ocorrendo, ainda que de maneira mais tímida, desde a última semana de janeiro. Isso também demonstra o sucesso das ações de combate desenvolvidas no município.”

Belo Horizonte
Segundo levantamento divulgado pela Secretaria de Saúde de Belo Horizonte, até o dia 5 de maio a capital mineira registrou 15.309 casos confirmados de dengue. O estudo alerta que 13.987 casos ainda aguardam análise. O governo municipal não divulgou números comparativos com os anos anteriores.

A região de Venda Nova é a que apresenta maior número de ocorrências (4.052 confirmações), seguida pelas regiões norte (2.621 confirmações) e noroeste (2.199 confirmações).

A prefeitura informou ainda que desde o início do ano, duas mortes por dengue foram notificadas, ambas por febre hemorrágica do vírus. Segundo a secretaria, uma das vítimas era transplantada e a outra sofria de doença renal crônica.

Dentre as ações promovidas pelo município para combater à doença, está a distribuição de 1,7 milhão folders e 1,2 milhão panfletos com orientações. Foram feitas ainda 80 faixas para serem distribuídas nas nove sedes regionais, alertando a população dos locais com mais casos da doença.

Já para atingir o público jovem, a cidade também trabalha na conscientização por meio do microblog Twitter, em que periodicamente são postadas informações sobre as ações de combate à dengue.

O UOL Notícias tentou falar com a Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco (AC), porém o órgão não se manifestou até o fechamento desta reportagem.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos