Argentina dificulta expansão do mercado aéreo com o Brasil, diz presidente da Anac

Vladimir Platonow
Da Agência Brasil

No Rio de Janeiro

A Argentina está dificultando a expansão do mercado aéreo com o Brasil, atendido por apenas duas empresas atualmente. Saturado e com uma demanda reprimida, o mercado de voos entre os dois países faz com que os preços das passagens estejam sempre altos. A afirmação é da presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Vieira, que participou hoje (25) da Cúpula União Europeia-América Latina da Aviação Civil. O evento prossegue até amanhã (26), no Rio de Janeiro.

“Nós estamos no limite máximo de frequências com a Argentina e precisamos aumentar. Nossas companhias já estão usando todos os voos disponíveis e precisamos que o governo argentino autorize o aumento“, afirmou a presidente da Anac. Segundo Solange, atualmente são 133 frequências e haveria espaço para se pedir mais 30. Isso permitiria a entrada de outras companhias brasileiras no mercado argentino, beneficiando os passageiros, que, atualmente, contam com a Gol e a Tam para chegar ao país vizinho.

“A Web não pode voar, a Azul não pode voar [para a Argentina], porque não têm mais voos para serem autorizados”, disse. O impedimento se reflete no valor das passagens aéreas entre os dois países, pois os voos estão sempre lotados, o que desobriga as companhias de promoverem políticas de descontos.

Para Solange, a solução para o impasse depende diretamente do governo argentino, que tem se mostrado reticente em atender a demanda brasileira. Entre os motivos, na avaliação da presidente da Anac, estaria a situação econômica do país vizinho, que não é tão favorável quanto a encontrada no Brasil, e a necessidade de se proteger a empresa Aerolineas Argentinas, que passa por um momento delicado de reestruturação.

O superintendente de Relações Internacionais da Anac, Bruno Silva Dalcolmo, observou que o mercado latino-americano representa um terço do volume de passageiros transportados em voos internacionais no Brasil. “Isso significa cerca de 4 milhões de passageiros por ano. O mercado mais dinâmico seria o argentino, caso não houvesse restrições existentes no acordo bilateral entre os dois países”, apontou.

A taxa de crescimento desse mercado, de 2005 a 2008, foi de longe a maior tendo o Brasil como origem e outros países como destino. Segundo Dalcolmo, chegou a 9% ao ano. A taxa média de crescimento dos mercados Brasil-Europa e Brasil-Estados Unidos ficou em torno de 6%.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos