"Não queremos candidatos no armário", diz organizador da Parada Gay

Do UOL Eleições

Em São Paulo

Com o tema “Vote contra a Homofobia, Defenda a Cidadania”, a Parada do Orgulho GLBT, que acontece hoje, em São Paulo, vai levar o tema eleições para a rua com um propósito: alertar a comunidade a não votar em candidato “no armário”.

A afirmação é de Toni Reis, presidente da ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) e um dos organizadores do evento. “Não queremos candidatos no armário, em cima do muro”.

Para Reis, o maior desafio do próximo presidente será executar essas as 600 propostas aprovadas no 1º Conselho Nacional LGBT, realizado em 2008, onde foi criado o Plano Nacional de Cidadania e Direitos Humanos GLBT. “Queremos a execução dessas propostas. Com isso já estaríamos felizes e satisfeitos”, diz.

No Legislativo, a expectativa é que os novos eleitos consigam articular a base aliada para aprovar três projetos: o Projeto de Lei da Câmara (PLC) nº 122/2006, que criminaliza várias formas de discriminação, inclusive por orientação sexual e identidade de gênero, o PLC nº 072/2007, referente ao nome social, e o Projeto de Lei nº 4914/2009, que reconhece a união estável homoafetiva.

Parada Gay interdita vias da região da avenida Paulista; veja as alternativas

Em alguns estados brasileiros tais propostas já foram aprovadas, como é o caso do Pará, com a governadora Ana Júlia Carepa, e de São Paulo, com os decretos assinados pelo ex-governador José Serra. “O que eles fizeram em seus estados, nós queremos para o Brasil”, afirma Reis.

Diálogo com pré-candidatos

Questionado sobre a posição da pré-candidata à Presidência da República pelo PV, Marina Silva, que declarou não ser favorável ao casamento entre homossexuais, mas que apóia a união estável, Reis disse que esse também não é o objetivo de agora.

“Nesse momento, não estamos pleiteando o casamento. Queremos apenas garantir nossos direitos civis como herança, plano de saúde e outros benefícios”, disse. “O que entendemos da Marina é que ela é contra o casamento na igreja, mas não queremos isso”.

Com os demais candidatos, Reis acredita que o diálogo será tranquilo. “Dilma (PT) deve seguir a linha do presidente Lula e Serra (PSDB) já disse ser favorável a união estável”.

Após a oficialização das candidaturas, a ABGLT irá enviar três perguntas junto com uma carta a todos os candidatos, a exemplo do que foi feito em 2008, onde as principais exigências foram colocadas em uma Carta de Compromisso. “Aqueles que responderem e assinarem serão nossos aliados. Sabemos que é difícil, pois estamos discutindo uma cultura. Cultura não se muda em 4, 5 anos, leva tempo”.

Sobre o atual governo, Reis reconhece que houve avanços expressivos, mas ressalta que outras conquistas poderiam ter sido alcançadas. “O governo Lula ainda deixou a desejar porque não conseguiu articular a base aliada", disse. Para Reis, os senadores não respeitam o artigo da Constituição que diz que o Estado é laico e levam a questão da religiosidade para o Congresso.

Mesmo assim, ele acredita que hoje o assunto já não seja um tema tão delicado nas campanhas eleitorais e que muito mais candidatos apoiam a causa, abrindo caminho para que o Brasil se iguale a países como Uruguai e Argentina, por exemplo, que já reconheceram a união civil entre homossexuais. “Se a gente está perdendo da Argentina, vamos ter que empatar”, finaliza.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos