PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Com muita confusão e gritos de assassino, Bruno chega à Divisão de Homicídios

Goleiro Bruno chega à Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro, na Barra da Tijuca - Alexandre Durão/UOL
Goleiro Bruno chega à Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro, na Barra da Tijuca Imagem: Alexandre Durão/UOL

Marlos Bittencourt

No Rio de Janeiro

07/07/2010 19h41

O goleiro Bruno, do Flamengo, chegou, às 19h13 desta quarta-feira (7), na Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro, na Barra da Tijuca, zona oeste. O jogador rubro-negro foi insultado por curiosos que o chamaram de assassino. Junto com o atleta estava também o seu funcionário Luiz Henrique Ferreira Romão, “o Macarrão”. Ambos não chegaram algemados.

Bruno se entregou na tarde desta quarta-feira à Polinter, no Andaraí. Junto ao atleta estava Macarrão, também acusado de envolvimento no desaparecimento de Eliza Samudio, ex-amante do jogador e com quem ele teria um filho de cinco meses.

O drama de Bruno ficou ainda mais latente na manhã de hoje, quando a polícia esteve em sua casa, no Recreio dos Bandeirantes (zona oeste), já com o mandado de prisão em mãos. O goleiro, porém, não estava no local, que foi vasculhado por cerca de 30 minutos.

Além de Bruno, mais sete pessoas estão sendo investigadas. A atual mulher do camisa 1 rubro-negro, Dayanne Souza, teve sua prisão temporária decretada e foi detida nesta manhã em Minas Gerais.

O “caso Bruno” teve o rumo alterado nessa terça-feira, quando um primo do goleiro, de 17 anos, prestou depoimento por cerca de oito horas na Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro. Ele confirmou que sequestrou a estudante Eliza Samudio, ex-namorada do jogador, com ajuda de Macarrão, e que ela estaria morta.

O menor admitiu ter dado uma coronhada em Eliza com uma pistola, mas contou que isso aconteceu devido a uma discussão e que nada estava premeditado. A morte da jovem teria acontecido somente em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

Ainda em depoimento, o menor disse que o sequestro aconteceu num sábado, em um hotel na Barra da Tijuca, mas não soube precisar exatamente a data. O carro usado foi a Land Rover de Bruno.

Eliza Samudio está desaparecida desde o dia 4 de junho. À polícia, amigos da jovem disseram que ela viajou do Rio de Janeiro para Minas Gerais a convite do goleiro, com quem se encontraria justamente no sítio do goleiro, no município mineiro de Esmeraldas. A Polícia Civil mineira recebeu telefonema anônimo avisando que Eliza teria sido espancada e morta na propriedade de Bruno.

O filho de Eliza foi visto no sítio de Bruno por policiais, de acordo com a delegada Alessandra Wilke, presidente do inquérito. A polícia deixou o local e, quando retornou, não encontrou a criança. O bebê foi localizado no último dia 26 de junho, em uma favela em Contagem, na divisa com Ribeirão das Neves, em companhia de conhecidos de Bruno e de sua mulher. Ela responde a inquérito por subtração de incapaz.

 

Cotidiano