Topo

Morre o secretário da Saúde de São Paulo, Barradas Barata

Eduardo Knapp/Folha Imagem
Secretário Luiz Roberto Barradas Barata morreu depois de viagem ao litoral Imagem: Eduardo Knapp/Folha Imagem

Maurício Savarese<br>Do UOL Notícias

Em São Paulo

17/07/2010 22h44Atualizada em 18/07/2010 08h33

O secretário da Saúde de São Paulo, Luiz Roberto Barradas Barata, 57, morreu neste sábado (17) vítima de um ataque cardíaco. Segundo a Secretaria da Saúde, o médico sanitarista, que ocupava o cargo desde janeiro de 2003, teve a morte registrada às 20h50, no hospital Dante Pazzanese, na capital paulista.

De acordo com uma nota divulgada pela secretaria, Barradas Barata "sentiu-se mal em casa e deu entrada no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia por volta de 19h já com parada cardíaca". O velório do médico será realizado neste domingo na Santa Casa de São Paulo.

"[O secretário] foi imediatamente atendido pela equipe médica, que iniciou as manobras de ressuscitação cardiopulmonar. Paralelamente, o secretário foi submetido a um procedimento de cinecoronariografia (cateterismo de urgência), quando foi constatada obstrução completa do tronco coronário principal. Apesar de todos os esforços realizados, o secretário não respondeu aos procedimentos e faleceu", diz o texto.

Sob seu comando, a secretaria da Saúde paulista criou o programa Dose Certa, que distribui medicamentos básicos, construiu o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, idealizou os AMEs (Ambulatórios Médicos de Especialidades), ergueu um hospital de transplantes e criou a lei anti-fumo no Estado de São Paulo.

Barradas Barata nasceu em 1953 e formou-se médico pela Santa Casa de São Paulo, em 1976. Dois anos depois, especializou-se em saúde pública pela Universidade São Paulo (USP). Fez, também, a especialização em Administração de Serviços de Saúde e Administração Hospitalar pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Barradas Barata foi assessor dos ex-ministros de Saúde Adib Jatene e José Serra. Ele também foi chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo na gestão do ex-prefeito Mário Covas e secretário adjunto de Saúde no governo Covas/Alckmin.

Repercussão
O governador de São Paulo, Alberto Goldman, divulgou nota de pesar nas últimas horas do sábado. "Lamento profundamente o falecimento do doutor Barradas. Homem íntegro, que dedicou toda a sua vida a melhorar a saúde das pessoas. Médico sanitarista, especialista em saúde pública, Barradas é dos nomes mais importantes da saúde brasileira", afirmou.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, também se manifestou. "É com grande tristeza que recebo a notícia da morte do companheiro Luiz Roberto Barradas Barata. Colega médico, destacado sanitarista e competente gestor, Barradas dedicou boa parte de sua vida ao fortalecimento do Sistema Único de Saúde. Por seus serviços prestados à saúde pública brasileira, recebeu do Ministério da Saúde, no ano passado, a medalha de Mérito Oswaldo Cruz", disse em nota.

"Compartilho desse momento de dor com seus familiares e com os colegas da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, a qual Barradas comandou com muita seriedade e responsabilidade, sempre visando o aprimoramento dos serviços de saúde pública e o bem estar da população", completou o ministro.

No microblog Twitter, vários políticos e pessoas ligadas à área da medicina lamentaram a morte do secretário. Colega dele na pasta do Meio Ambiente do governo de São Paulo, Xico Graziano, escreveu: "Diga o nome de uma pessoa que nunca deixou de lhe dar atenção quando solicitava ajuda: chamava-se Barradas, grande cara. Estou triste".

O tucano José Serra, que trabalhou com Barradas, manifestou sua tristeza no microblog: "Morreu nesta noite o Luiz Roberto Barradas, meu grande amigo, secretário da Saúde de SP, servidor público exemplar. Enfarte fulminante. A Saúde no Brasil deve muito a ele. Foi meu principal orientador quando assumi o Ministério da Saúde e meu secretário quando governei SP. Sua grande motivação era, como ele dizia,'ajudar as pessoas'. Era formulador e administrador dedicado, inteligente e criativo. Que perda!"