Líder de quadrilha que fraudava servidores aposentados da Saúde se entrega no Rio

Arthur Guimarães*
Do UOL Notícias
Em São Paulo

O delegado Robson da Silva, titular da Delegacia de Defraudações (DDEF) do Rio de Janeiro, afirmou que durante a tarde desta terça-feira (20) se apresentou à polícia espontaneamente um dos líderes da quadrilha desbancada por desviar recursos dos contracheques de servidores aposentados do Ministério da Saúde. Agora, no total, são cinco criminosos detidos.

Na operação deflagrada hoje, a Polícia Civil do Rio prendeu suspeitos de integrar associações de classe que, ilegalmente, incluíam sócios em seu cadastro e, posteriormente, descontavam dessas pessoas mensalidades entre R$ 10 e R$ 150 direto na folha de pagamento, usando autorizações forjadas. Cerca de 3.800 servidores aposentados estavam tendo prejuízos com o golpe, que rendia mais de R$ 2 milhões por ano.

Segundo o delegado, o rapaz que se entregou chama-se Francisco (o restante do nome não foi divulgado). Ele seria o responsável por escrever os estatutos das associações de classe que participavam da fraude. "Pode ter sido uma estratégia da defesa que, sabendo que chegaríamos até ele, sugeriu uma entrega para mostrar que ele não tem objetivo de fugir, assim evitando um pedido de prisão", disse Silva.

O policial informou ainda que, daqui para frente, irá buscar os funcionários públicos que possivelmente ajudavam a quadrilha. "Pelo número de informações de cadastro que eles tinham, com certeza havia alguma facilitação no serviço público", alegou.

O Ministério da Saúde informou que a questão "é de polícia" e que está à disposição das autoridades pra futuros esclarecimentos. Já o Ministério do Planejamento, pasta que cadastrava tais associações de classe, ainda aguarda obter mais detalhes da investigação para se pronunciar.

Até o início da tarde de hoje, pelo menos cinco pessoas foram presas e 15 mandados de busca e apreensão foram cumpridos. Entre os suspeitos estão Luciana Pitassi e o irmão dela, Márcio Pitassi, além de Francisco Alvarenga e Marcilei Alvarenga.

A operação acontece em quatro Estados: Rio, Ceará, Espírito Santo e Minas Gerais. "Só não conseguimos cumprir o mandado de prisão em Fortaleza porque o acusado já havia mudado de endereço. Mas continuamos as buscas no Estado do Rio", disse Robson Silva.

* Com informações da Folha.com

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos