Alex de Jesus/ O Tempo/ AE

Caso Eliza Samudio

Perito contratado por defesa de Bola faz vistoria na casa do acusado de matar Eliza Samudio

Rayder Bragon
Especial para o UOL Notícias
Em Belo Horizonte

O médico-legista alagoano George Sanguinetti vistoriou neste sábado (14) a casa do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola e apontado pela Polícia Civil de Minas Gerais como executor de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Souza. O perito chegou nesta semana a Minas Gerais.

Por volta das 15h30, ele entrou na residência, que fica no bairro Santa Clara, em Vespasiano, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte. Ele estava acompanhado pelo advogado Zanone Júnior, defensor de Bola e quem contratou Sanguinetti para auxiliar a defesa. Eles permaneceram por volta de duas horas no imóvel. Na saída, o perito disse ter encontrado fios de cabelo humano em uma corda e ainda revelou ter recolhido amostras de terra, além de resíduos em local onde o ex-policial criava cães da raça Rottweiler. O material, segundo ele, será analisado.

Sanguinetti disse ainda não acreditar na possibilidade de Eliza ter permanecido no local. De acordo com ele, ao analisar os laudos da polícia, aos quais afirma ter tido acesso, essa hipótese já havia sido descartada por ele. No entanto, ele afirmou que vai produzir laudos para corroborar a afirmativa.

"Vi todos os laudos e não tem nenhuma prova que Eliza tenha estado naquela casa. Tecnicamente, ela nunca esteve nesse local, e isso foi levantado pela própria polícia técnica de Minas Gerais", afirmou o perito.

O local foi apontado como palco do assassinato de Eliza em 10 de junho deste ano. Segundo o inquérito, o ex-policial estrangulou e esquartejou a moça em um dos cômodos da casa e partes do corpo teriam sido arremessadas aos cães. O imóvel e o entorno haviam sidos vistoriados de maneira minuciosa por agentes e peritos da Polícia Civil no curso das investigações.

Sanguinetti adiantou que deverá permanecer em Minas Gerais por ao menos dez dias. Nesse período, ele disse pretender vistoriar outros locais onde supostamente Eliza Samudio esteve e estudar o inquérito feito pelos delegados sobre o caso.

O perito alagoano ganhou notoriedade ao contestar, em 1998, o laudo oficial da morte do ex-tesoureiro Paulo César Farias. Recentemente, ele auxiliou a defesa do casal Nardoni.

De acordo com Zanone Júnior, a intenção da defesa é produzir contraprovas às perícias realizadas pelos técnicos da polícia durante a fase de investigação. Ele afirmou que será montado um dossiê fotográfico dos locais visitados.

"Nessa semana, eu vou habilitá-lo (Sanguinetti) como assistente técnico (da defesa). Há dois há previsão legal no Código do Processo Penal brasileiro para que isso possa ser feito", afirmou o advogado. Ele salientou que o próximo passo será uma perícia na Land Rover, modelo Range Rover, do goleiro Bruno, e apontada pela polícia como o veículo que trouxe Eliza Samudio do Rio de Janeiro para Minas Gerais, no ínicio de junho. No carro foi encontrado sangue da moça, segundo o inquérito.

Nesta sexta-feira, o advogado de Bola entrou com pedido de habeas corpus para o cliente. O pedido vai ser analisado pelo desembargador Delmival de Almeida Campos, da 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

 

Presos

 

A Justiça aceitou denúncia do Ministério Público contra Bruno e mais sete pessoas por quatro crimes: homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado, ocultação de cadáver e corrupção de menor. Já Marcos Aparecido dos Santos foi denunciado pelo MP por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. A Justiça decretou a prisão preventiva dos acusados. Todos negam envolvimento no crime.

Além de Bruno, estão detidos na penitenciária de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem (MG), Luiz Henrique Romão (Macarrão, amigo do goleiro), Marcos Aparecido dos Santos, Elenílson Vítor da Silva, caseiro do goleiro, e os amigos Flávio Caetano de Araújo e Wemerson Marques de Souza (o Coxinha).

A mulher do goleiro, Dayanne Souza, e a suposta amante do atleta Fernanda Castro, estão presas na penitenciária Estevão Pinto, e Sérgio Rosa Sales (o Camelo), primo do jogador, permanece no Ceresp (Centro de Remanejamento do Sistema Prisional) São Cristóvão, anexo ao Departamento de Investigações, em Belo Horizonte.

Já o menor J., primo de Bruno, foi condenado pela Vara da Infância e Juventude de Contagem (MG) a cumprir medida socioeducativa por prazo indeterminado pela acusação de homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos