Ameaças virtuais de exploração sexual representam perigos reais

Leandra Felipe*

Da Agência Brasil
Em Brasília

  • Reprodução/Olhar Digital

    ONG recebeu mais de 190 mil denúncias de sites com pornografia infantil

    ONG recebeu mais de 190 mil denúncias de sites com pornografia infantil

Entre janeiro de 2006 e junho deste ano a organização não governamental (ONG) SaferNet Brasil, que atua em conjunto com a Polícia Federal e o Ministério Público no combate à pornografia infantil, recebeu mais de 190 mil denúncias de sites com esse tipo de conteúdo.

Casos como o do analista de informática do Rio de Janeiro, que prefere não ser identificado, têm se tornado comuns: a ameaça virtual transforma-se em perigo real. Seu filho, de 14 anos, foi aliciado por um adulto na internet. Para ganhar a confiança do garoto, o aliciador fingiu ser uma garota em um site de relacionamento (MSN). Depois, apresentou-se como amigo da suposta menina e, a partir daí, começou a oferecer dinheiro em troca de relações sexuais.

“O sujeito tinha muitos argumentos. No início, meu filho dizia que não iria. Mas o cara foi subindo a oferta até que ofereceu uma moto para o meu filho, e aí ele balançou. Eles até marcaram um encontro, que não aconteceu porque meu filho estava passando mal”, conta o pai.

Em uma olhada de rotina nas conversas mantidas pelo filho no site de relacionamento - que estavam gravadas no computador - os pais descobriram o que estava acontecendo e afastaram o adolescente da rede. Mas, a essa altura, o criminoso já sabia até o endereço da família.

“Um dia ele deixou um recado na caixa de correio da minha casa, num papel de caderno, onde estava escrito:“Olha, entra no MSN hoje senão você morre.” Aí não era mais virtual, estava na porta da minha casa, me ameaçando de morte”, conta o analista de informática.

Com essa ameaça, o pai procurou a polícia e foi orientado a se passar pelo filho e marcar um encontro com o suspeito. A estratégia funcionou e o aliciador foi preso. Mas nem todos os casos têm o mesmo desfecho. O titular da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítimas (Dcav) do Rio de Janeiro, delegado Luiz Henrique Marques Pereira, diz que crimes assim acontecem com frequência na internet.

“Para que o abusador tenha acesso a essa rede é cobrado dele o envio de um conteúdo pornográfico. Por conta disso, de qualquer forma ela vai ter que manter contato com uma criança ou adolescente para produzir esse conteúdo e mandar pela internet”, explica o delegado.

Para a coordenadora do Núcleo de Pesquisas de Psicologia em Informática da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Rosa Farah, a maior visibilidade dos crimes cometidos na rede virtual não significa que a quantidade de crimes tenha aumentado.

“As várias modalidades de violência sexual contra crianças e adolescentes sempre existiram, mas talvez nunca tenham se tornado tão conhecidas quanto na atualidade. Isso entrou na pauta de discussão das pessoas, perceptível para o coletivo, justamente por causa da própria internet, da amplitude das comunicações”, explica Farah.

Para combater este tipo de crime o caminho é a denúncia, que pode ser feita no site da SaferNet Brasil ou pelo Disque 100, serviço que recebe denúncias de exploração sexual contra crianças e adolescentes de todo o país.

* Repórter do Radiojornalismo. Essa reportagem faz parte do projeto da equipe do Radiojornalismo da EBC, vencedor do 5º Concurso Tim Lopes de Investigação Jornalística na Categoria Especial. Temática: "O Desafio do Enfrentamento à Violência Sexual Facilitada pelas Novas Tecnologias de Comunicação e Informação". A série está disponível em áudio na Radioagência Nacional.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos