Bala que matou aluno em sala de aula no RJ não era da polícia, diz laudo

Do UOL Notícias*

Em São Paulo

A bala perdida que matou o menino Wesley Guiber de Andrade em uma sala de aula no Centro Integrado de Educação Pública (Ciep) Rubens Gomes, em Costa Barros, no subúrbio do Rio de Janeiro, no último dia 16 de julho, não era de policiais, segundo perícia realizada pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). A confirmação foi dada nesta segunda-feira (23) pelo diretor da instituição, Sérgio da Costa Henriques.

Wesley, de 11 anos, foi morto com um tiro no peito quando estava dentro da sala de aula. A bala que atingiu o menino teria partido de um confronto entre policiais militares e criminosos durante uma operação para reprimir o tráfico de drogas nas favelas da Quitanda, Costa Barros, Lagartixa, Pedreira e Terra Nostra.

O menino foi socorrido e encaminhado para o hospital estadual Carlos Chagas, mas ele já estava morto quando chegou ao local. Após a morte, o governo do Rio anunciou o afastamento do responsável pelo 9º BPM (Rocha Miranda), coronel Fernando Príncipe, responsável pelas equipes envolvidas na operação policial.

“Essa troca de tiros, tem direto. Sempre acaba pegando um inocente”, disse na época Edivaldo de Oliveira, 46, tio de três jovens que estudam no mesmo Ciep onde Wesley foi morto. Em nota, a secretaria municipal de Educação lamentou o ocorrido.

*Com informações da Agência Estado

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos