João Godinho/O Tempo/AE

Chuvas pelo Brasil

Após admitir suspensão de limpeza, Alckmin diz que dará "ritmo mais forte" a obras no rio Tietê

Arthur Guimarães
Do UOL Notícias

Em São Paulo

  • Almeida Rocha/Folhapress

    Para tirar o atraso, governo Alckmin dobrou metas de limpeza e anunciou aporte de R$ 558 milhões

    Para tirar o atraso, governo Alckmin dobrou metas de limpeza e anunciou aporte de R$ 558 milhões

Após publicação de reportagem do UOL Notícias nesta sexta-feira (25) apontando a suspensão do trabalho de limpeza no fundo do rio Tietê por três anos, o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou hoje que vai "dar um ritmo mais forte" ao trabalho de retirada de resíduos e lixo do leito. 

"Ela [a limpeza] já foi retomada no ano passado. Nós vamos agora dar um ritmo mais forte. As licitações já estão todas publicadas. Vamos aproveitar agora o período da seca para fazer uma grande obra de desassoreamento", disse o governador, que participou hoje da formatura de 2.332 soldados da Polícia Militar, em cerimônia organizada na praça Charles Miller, no Pacaembu, na zona oeste da capital.

Apesar de questionado, o tucano não respondeu se seria um equívoco ou não a suspensão da limpeza do rio nos anos de 2006, 2007 e 2008 --interrupção confirmada pelo DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica), órgão vinculado à secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado.

Alckmin não explicou os motivos que levaram o governo a suspender o desassoreamento, mas  anunciou as medidas que estão sendo tomadas para prevenir novas enchentes na cidade e novos transbordamentos do rio Tietê. Ele chegou a dizer que parte da responsabilidade pelos graves alagamentos que voltaram a acontecer em São Paulo é culpa dos prefeitos da região metropolitana, que estariam sendo omissos na limpeza dos piscinões, atribuição até então municipal. 

Prometendo que o governo estadual irá "assumir" a manutenção dos piscinões daqui em diante, o governador citou que, no maior piscinão sob responsabilidade do Estado, o de Mauá, 15% da capacidade estava comprometida pelo assoreamento. "Perdemos muita reservação pelo piscinão estar sujo, assoreado", disse.

Alckmin voltou a anunciar que com as novas licitações para desassoreamento do Tietê serão retirados 2,5 milhões de metros cúbicos do rio entre a barragem da Penha e a cidade de Santana do Parnaíba (SP) e outro 1,5 milhão de m³ do rio Pinheiros. "Vai ajudar muito", declarou.

Três anos sem limpeza

Destino do equivalente a cerca de 400 piscinas olímpicas de lixo e resíduos todo ano, o trecho metropolitano do rio Tietê ficou sem limpeza entre 2006, 2007 e parte de 2008. O governo estadual assumiu nesta semana, em resposta a questionamento feito há 24 dias pelo UOL Notícias, que por mais de 1.000 dias não foi feito o serviço de desassoreamento do leito que corta São Paulo e cujos transbordamentos, em dias de forte chuva na capital, interrompem o tráfego na marginal e trazem o caos aos paulistanos. Só nos primeiros três meses deste ano, foram registrados três episódios do tipo. 

Nota oficial emitida em 22 de março pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), órgão vinculado à secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos, confirma que houve uma suspensão no serviço de escavação, recolhimento e transporte dos dejetos que se acumulam no fundo do leito do rio. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos