Morte de bezerro reacende polêmica sobre maus tratos a animais no rodeio de Barretos

Ana Paula Rocha
Do UOL Notícias

Em São Paulo

O uso de animais em rodeios já era questionado, mas com o sacrifício de um bezerro após uma prova na Festa do Peão de Barretos na última sexta-feira (19), o debate ganhou mais força. O Ministério Público está investigando o caso não apenas para tratar deste acidente, mas também para saber se esta prova é prejudicial aos animais, conforme informou a promotora do meio ambiente de Barretos, Adriana Nogueira Franco. De acordo com ela, nesta terça-feira (23) foi enviado um ofício para a organização do evento, que tem dez dias para respondê-lo, a contar da data em que recebê-lo.

O tema foi, inclusive, um dos mais comentados no Twitter esta semana. O bezerro que precisou ser sacrificado foi usado em uma prova conhecida como bulldog. Nela, o peão desce de um cavalo em movimento e precisa derrubar o bezerro usando apenas as mãos. Na quarta-feira (24), a organização do evento informou que o competidor Cesar Brosco, que disputava a prova que acabou lesionando a vértebra cervical do animal, foi afastado por seis meses pela Associação Nacional de Bulldog.

De acordo com a nota, o afastamento foi solicitado por técnicos do Centro de Estudos do Comportamento Animal (ECOA), ligado ao clube que organiza a Festa do Peão de Barretos. O relatório feito pelos profissionais demonstra que “a infração poderia ter ocorrido por conta de uma manobra executada de forma irregular”. O peão César Brosco diz sofrer retaliação pelo ocorrido.


O presidente do clube "Os Independentes", que organiza a festa, Marcos Murta, diz que foi a primeira vez em 56 anos que um animal precisou ser sacrificado após o rodeio e classificou o ocorrido como uma "fatalidade". Para o presidente do PEA (Projeto Esperança Animal), organização que defende os direitos dos animais, Carlos Roselen, é inadmissível que acidentes como estes ocorram. Assista acima aos depoimentos dos dois sobre o caso.

O advogado Verner Grau apela para a Constituição para criticar o uso de animais em rodeios, alegando que não há necessidade de submeter o animal à dor se não há benefício para a vida humana. “É mero entretenimento”, defende.

Além do caso da morte do bezerro após a prova, outros aspectos do rodeio são questionados. O uso do sedém, uma corda que passa pela virilha dos animais, usada em provas de montaria, é um deles. Para Roselen, do PEA, o objeto causa sérios danos aos animais. Para Murta, da organização de Barretos, o utensílio provoca apenas cócegas.

A reportagem conversou por telefone com um veterinário de uma importante universidade pública de São Paulo, que prefere não se identificar para não entrar em polêmicas. Ele diz que muitas vezes as afirmações sobre animais em rodeios são feitas sem o embasamento técnico necessário. Na década de 90, ele recebeu a solicitação de um juiz para que avaliasse um caso que envolvia provas de montaria. Sua conclusão, na época, foi de que se os rodeios forem bem controlados, não configuram maus tratos. Ele defende que o sedém só machuca os animais se for mal produzido e se a pressão colocada sobre o animal for muito intensa. A respeito do caso do bezerro, ele diz que não fala por não conhecer a prova o suficiente para emitir uma opinião.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos