PUBLICIDADE
Topo

Cerca de 200 moradores de Ipanema (RJ) protestam contra construção de metrô em praça histórica

Hanrrikson de Andrade

Especial para o UOL Notícias<br>No Rio de Janeiro

22/10/2011 13h31

Um grupo de aproximadamente 200 moradores de Ipanema, área nobre da zona sul do Rio de Janeiro, promoveu na manhã deste sábado (22) uma manifestação na praça Nossa Senhora da Paz, um dos pontos históricos do bairro, contra a construção de uma estação de metrô no local. O ato foi marcado por um abraço coletivo em torno do monumento senador Pinheiro Machado. Não houve qualquer registro de confusão.


O evento foi organizado pela associação Projeto de Segurança Ipanema (PSI), um movimento voluntário criado pelos próprios moradores para preservar valores tradicionais de Ipanema. O grupo argumenta que a praça Nossa Senhora da Paz não pode ser descaracterizada - o local é tombado pelo Decreto Municipal nº 23.161, aprovado no dia 21 de julho de 2003.

"Essa foi uma manifestação espontânea dos moradores de Ipanema contra esse absurdo. Nós fizemos uma enquete com 1.168 pessoas e 91,37% dos moradores não concordam com a construção do metrô na praça Nossa Senhora da Paz. Temos uma estação a 340 metros daqui [na praça General Osório], que fica a cinco minutos de ônibus. Não há custo-benefício", afirma Ignez Barreto, coordenadora do PSI, que afirma ser usuária do metrô.

De acordo com a aposentada Grace Fabor, uma das organizadoras do evento, o grupo já acionou o Ministério Público para tentar embargar o projeto.

Segundo ela, um procurador do MP entrou com uma representação na Justiça, que em breve deve se tornar uma ação civil pública. "Algumas pessoas dizem que nós somos elitistas. Mas não se trata disso. Não nos colocamos contra o metrô, e sim contra os prejuízos que essa obra vai causar", disse.

Para a moradora Maria de Lourdes Marinho, a futura estação Nossa Senhora da Paz pode se tornar ociosa, isto é, concentrar baixo fluxo de passageiros em razão da existência de outros ramais no mesmo bairro.

"Ipanema não é um bairro grande, e uma estação de metrô na Nossa Senhora da Paz ficaria ociosa. O mesmo problema acontece com a estação Cantagalo [em Copacabana, bairro vizinho]", afirma.

De acordo com os organizadores, a construção de uma estação de metrô "acumula muitos aspectos desfavoráveis", tais como a derrubada de árvores centenárias e o fim das atividades de lazer no local, principalmente para os idosos. O impacto ambiental é um dos principais argumentos apresentados pelo PSI.

Além disso, o Projeto de Segurança Ipanema considera que Ipanema não precisaria de mais uma estação de metrô -- atualmente, o bairro conta com uma estação na praça General Osório, da Linha 1, e uma outra a ser construída no Jardim de Alah (cujas obras fazem parte do projeto da Linha 4), que também levará este meio de transporte para os moradores do Leblon (a inauguração deve ocorrer até 2016, ano dos Jogos Olímpicos no Rio).

A manifestação contou com os apoios dos comerciantes e empresários que atuam nas proximidades da praça Nossa Senhora da Paz, representados pela associação comercial Quadrilátero do Charme. Eles temem que a instalação de "respiradores" (estrutura de ventilação) possa ocupar espaços importantes para os comerciantes da região. Além disso, o processo de construção é longo e a rotina dos pedestres seria afetada, segundo os manifestantes.

Integrantes da Associação de Moradores e Amigos de Copacabana também participaram do protesto. De acordo com o vice-presidente da Amacopa, Tony Teixeira, a estética do bairro sofreria graves alterações nos próximos anos, o que resultaria em prejuízos para a atividade turística.

Já a presidente da associação de moradores de Ipanema, Maria Amélia Loureiro, afirma ser a favor da nova estação. Ela diz que a Secretaria Estadual de Transportes apresentou plano para minimizar o impacto na praça.

Em nota, a Secretaria Estadual de Transportes afirmou que a "a estação Nossa Senhora da Paz será construída sem a descaracterização da praça".

Segundo o governo estadual, "a opinião de algumas poucas pessoas sobre uma obra que beneficiará milhares de usuários diariamente não representa a vontade da população do Rio de Janeiro".

Linha 4
Assim como a estação Jardim de Alah, o projeto de construção de um ramal na praça Nossa Senhora da Paz integra o planejamento da Linha 4 (fará a conexão entre Ipanema e a Barra da Tijuca, no Jardim Oceânico).

O governo do Estado considera a obra fundamental para desatar o nó no trânsito entre a zona sul e a Barra, um problema que a cidade precisa solucionar a fim de evitar transtornos durante os Jogos Olímpicos de 2016.

O novo trecho, na prática, será uma extensão da Linha 1 (Saens Peña - Ipanema/General Osório). Os trens sairão da Pavuna e seguirão direto até a Barra com tempo médio de percurso de 35 minutos.

São Paulo teve "churrascão da gente diferenciada"
Em maio deste ano, cerca de 300 pessoas fecharam a avenida Higienópolis, em frente ao shopping local, zona central da capital paulista, em protesto pela intenção do governo de São Paulo de mudar o local de uma estação de metrô na avenida Angélica, em protesto contra a desistência do governo de São Paulo de construir uma estação de metrô na avenida Angélica após pedido feito por uma associação de moradores.

O "Churrascão da Gente Diferenciada", nome dado ao protesto por seus organizadores a partir de página na rede social Facebook, mobilizou estudantes, moradores e integrantes de movimentos sociais, que levaram um ambiente popular pelas ruas do sofisticado bairro.

O nome da manifestação surgiu após uma declaração de uma moradora de Higienópolis em entrevista à Folha de S.Paulo. "Eu não uso metrô e não usaria. Isso vai acabar com a tradição do bairro. Você já viu o tipo de gente que fica ao redor das estações do metrô? Drogados, mendigos, uma gente diferenciada...".
 

 

Cotidiano