Topo

Juiz concede liberdade condicional ao goleiro Bruno, mas prisão por homicídio continua

Foto de 2010 mostra o goleiro Bruno Souza aguardando para prestar depoimento no Fórum de Contagem - Alex de Jesus/Futura Press
Foto de 2010 mostra o goleiro Bruno Souza aguardando para prestar depoimento no Fórum de Contagem Imagem: Alex de Jesus/Futura Press

Rayder Bragon

Do UOL, em Belo Horizonte

29/05/2012 17h50

O juiz Wagner Cavalieri, da Vara de Execuções Penais de Contagem (MG), deferiu nesta terça-feira (29) a progressão de pena para o regime semiaberto e concedeu livramento condicional ao goleiro Bruno Souza pela condenação relativa a lesão corporal, cárcere privado e constrangimento ilegal de Eliza Samudio, sua ex-amante. O goleiro havia sido condenado pela Justiça do Rio de Janeiro em 2010 a quatro anos e seis meses de prisão pelos crimes que teriam ocorrido em 2009.

No entanto, o goleiro permanecerá preso na penitenciária de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, por conta de mandado de prisão preventiva expedido contra ele pelo Tribunal do Júri da cidade mineira.

Bruno está preso desde julho de 2010 pela acusação de ter sido o mandante do assassinato de Eliza Samudio. Sendo assim, ele já cumpriu mais de um sexto da pena imposta no Rio de Janeiro e somado a um bom comportamento apresentando na prisão e por ser réu primário à época da condenação, o jogador obteve o direito de pleitear a progressão da pena.

Segundo a assessoria do TJ-MG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais), o processo foi transferido do Rio de Janeiro para Contagem (MG) pelo fato de o réu estar preso no Estado acusado de um crime de homicídio.

O advogado Rui Pimenta, que defende o goleiro, aguarda um julgamento de pedido de habeas corpus impetrado no STF (Supremo Tribunal Federal) para que ele aguarde o julgamento da acusação de homicídio, ainda sem data definida, em liberdade.

A liminar do habeas corpus com pedido de soltura do goleiro foi indeferida em dezembro do ano passado pelo ministro Ayres Brito. Agora, o colegiado do Supremo vai analisar o mérito do HC, em data indefinida.

De acordo com Francisco Simim, que defende o goleiro ao lado de Pimenta, a defesa está aguardando o resultado do julgamento no STF para pedir o desmembramento do processo sobre o suposto homicídio de Eliza Samudio à Justiça. Segundo Simim, a intenção é que os defensores tenham mais tempo para fazerem suas explanações perante o júri popular.

Em casos com mais de dois réus, explicou o advogado, o Código de Processo Penal manda acrescer uma hora ao tempo da defesa, que normalmente é de uma hora e meia, e dividi-lo em partes iguais para todos os réus. No caso do sumiço de Samudio, são oito réus no total. Com o desmembramento, a defesa espera ter o tempo total para fazer suas argumentações.

Entenda o caso

O goleiro Bruno Souza e sete pessoas vão a júri popular, ainda sem data definida, pela suposta morte de Eliza Samudio, ex-amante do atleta e que teria tido um filho com ele. Para a Polícia Civil e o Ministério Público de Minas Gerais, a modelo foi morta em junho de 2010, na casa do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, em Vespasiano, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com as investigações, o goleiro seria o mandante do crime, que ainda contou com a participação de mais sete pessoas. As razões para o crime seriam a negativa do goleiro em assumir o filho que supostamente teria tido com Eliza Samudio. O atleta, segundo o Ministério Público, tentou fazer com que a moça abortasse e, diante de uma suposta negativa dela, passou a ameaçá-la de morte.

Ainda conforme o MP, após o nascimento da criança, no início de 2010, o goleiro teria arquitetado um plano para matar Eliza Samudio. Bruno vai a júri popular pelos crimes de sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, ex-secretário de Bruno, vai a júri popular pelos crimes de sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver.

Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, vai a júri popular pelos crimes de homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver. Bola está atualmente confinado em ala destinada a ex-policiais no presídio Professor Jason Soares Albergaria, em São Joaquim de Bicas, também na região metropolitana da capital mineira.

Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno, vai a júri popular pelos crimes de sequestro de sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Atualmente responde ao processo em liberdade.

Dayanne de Souza, ex-mulher do goleiro Bruno, vai a júri popular pelos crimes de sequestro e cárcere privado do filho de Eliza Samudio. Já Fernanda Castro, ex-amante do goleiro Bruno, vai a júri popular pelo sequestro e cárcere privado de Eliza Samudio e do filho dela. As duas respondem ao processo em liberdade.

Outro que está em liberdade é Elenílson Vítor da Silva, ex-caseiro do sítio do goleiro Bruno em Esmeraldas (MG), apontado pela polícia como local de cativeiro de Eliza antes de sua morte. Ele vai a júri popular pelo crime de sequestro e cárcere privado do filho de Eliza.

Wemerson Marques de Souza, amigo do goleiro Bruno, vai enfrentar o júri pelos crimes de sequestro e cárcere privado do filho de Eliza Samudio. Atualmente responde ao processo em liberdade. Um primo adolescente do goleiro Bruno cumpre medida socioeducativa em Minas Gerais, determinada por um juiz da Vara da Infância e Juventude de Contagem (MG), por conta do sumiço de Eliza.

Mais Cotidiano