Topo

Mais de 45 milhões de brasileiros têm alguma deficiência; 9,5 milhões são idosos

Débora Melo

Do UOL, em São Paulo

29/06/2012 10h00

Dados do Censo Demográfico 2010, divulgados nesta sexta-feira (29) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostram que 45,6 milhões de brasileiros --ou 23,9% da população-- têm ao menos uma deficiência: visual, auditiva, motora, mental ou intelectual.

O levantamento investigou a incidência das deficiências por faixa etária e constatou que elas atingem com mais frequência a população de 65 anos de idade ou mais --67,7% desses idosos (cerca de 9,5 milhões de pessoas) têm alguma deficiência.

População deficiente

  • 45,6 milhões

    total

     

  • 9,5 milhões

    têm 65 anos ou mais

     

  • 25,8 milhões

    são mulheres

     

  • 19,8 milhões

    são homens

     

    De acordo com o IBGE, isso se deve às limitações trazidas pelo próprio fenômeno do envelhecimento, no qual há perda gradual da acuidade visual e auditiva e da capacidade motora do indivíduo.

    Já na análise por sexo, observou-se que 26,5% da população feminina (25,8 milhões) possuía alguma deficiência em 2010, contra 21,2% da população masculina (19,8 milhões).

    Além disso, como a população está em processo de envelhecimento e a mortalidade masculina é superior à feminina, especialmente nas idades avançadas, há mais mulheres entre os brasileiros com 65 anos ou mais que têm ao menos uma deficiência.

    Neste grupo específico, a deficiência auditiva é a única que atinge mais os homens do que as mulheres: 28,2% dos homens de 65 anos ou mais têm problemas de audição, enquanto 23,6% das mulheres nessa faixa etária têm esse tipo de deficiência.

    Deficiência visual é a mais comum

    A deficiência visual é a mais comum entre os brasileiros e atingiu 35,8 milhões de pessoas em 2010, seguida pela deficiência motora (13,3 milhões), auditiva (9,7 milhões) e mental ou intelectual (2,6 milhões).

    As perguntas formuladas buscaram identificar as deficiências com seus graus de severidade, de acordo com a percepção do entrevistado sobre sua dificuldade em enxergar, ouvir e se locomover (mesmo com o uso de facilitadores como óculos ou lentes de contato, aparelho auditivo ou bengala) e na existência da deficiência mental ou intelectual.

    Segundo o instituto, a investigação dos graus de severidade de cada deficiência permitiu conhecer a parcela da população com deficiência severa, que se constitui no principal alvo das políticas públicas voltadas para a população com deficiência.

    No caso da deficiência visual, por exemplo, contatou-se que no Brasil há 506 mil cegos, 6 milhões de pessoas que têm grande dificuldade visual e outras 29 milhões que possuem "alguma dificuldade" para enxergar. Já no caso da deficiência motora, 734 mil pessoas são incapazes de se locomover, 3,6 milhões têm grande dificuldade de locomoção e 8,8 milhões têm alguma dificuldade.

    Mais Cotidiano