PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Criminosos sequestram mulher e sobrinho, trocam tiros com a PM e acabam presos

Do UOL, no Rio

31/07/2012 19h20

A Polícia Militar do Rio de Janeiro deteve quatro homens que sequestraram, na tarde desta terça-feira (31), duas pessoas que trafegavam de carro pela Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade. O veículo no qual estavam os criminosos foi interceptado por PMs após denúncias feitas por pedestres que passavam pelo local.

Houve perseguição e troca de tiros, mas os reféns --a mulher e o sobrinho dela, que estava no banco traseiro do carro-- conseguiram sair ilesos. Já os sequestradores foram presos em flagrante, de acordo com informações divulgadas pela PM.

O sequestro-relâmpago teve início quando a mulher passava pela avenida Lúcio Costa. Em outro veículo, os criminosos abordaram a vítima e tentaram obrigá-la a parar em um caixa eletrônico a fim de realizar saques em dinheiro.

Durante o trajeto, na altura do posto nove da praia da Barra, o veículo que estava sendo utilizado pelos homens armados foi advertido pelos PMs do 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes), que pediram para o motorista parar. Os sequestradores não pararam e iniciaram o tiroteio.

Os PMs revidaram e iniciaram a perseguição até o posto sete, quando os criminosos abandonaram o automóvel e tentaram fugir por um terreno baldio, sem sucesso. Eles foram capturados minutos depois.

O veículo no qual estavam os reféns, por sua vez, foi conduzido por um dos criminosos até a altura do número 5.130 da avenida Sernambetiba, também na Barra da Tijuca. Ele se entregou após ser interceptado por policiais do mesmo batalhão, e as vítimas foram liberadas.

Três sequestradores foram encaminhados para a 16ª DP (Barra), onde foi lavrado o boletim de ocorrência, e um, ferido, levado sob custódia para o hospital Lourenço Jorge, no mesmo bairro.

Segundo depoimento da vítima, os criminosos utilizavam quatro pistolas, mas a PM só localizou uma das armas. As restantes foram abandonadas no terreno baldio, e a polícia deve realizar buscas no local.

Cotidiano