PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Polícia do Rio realiza reconstituição da morte de criança baleada durante operação do Bope

Bruna foi enterrada no sábado (28) em cerimônia realizada no cemitério do Caju, na zona norte do Rio - Luiz Roberto Lima /Futura Press/AE
Bruna foi enterrada no sábado (28) em cerimônia realizada no cemitério do Caju, na zona norte do Rio Imagem: Luiz Roberto Lima /Futura Press/AE

Do UOL, no Rio

31/07/2012 12h13

A Polícia Civil do Rio de Janeiro realiza na manhã desta terça-feira (31) a reconstituição da morte da menina Bruna da Silva Ribeiro, 10, que foi atingida por uma bala perdida durante operação do Bope (Batalhão de Operações Especiais) no morro da Quitanda, em Costa Barros, na zona norte da cidade.

Agentes da delegacia da Pavuna (39ª DP) estão na comunidade para coordenar o trabalho dos peritos. Segundo a polícia, a simulação do evento e o estudo forense das circunstâncias do óbito serão fundamentais para averiguar a origem do disparo que acertou a menina.

Bruna foi atingida na região do abdômen, por volta de 13h da última sexta-feira (27), no momento em que atravessava a rua. Na ocasião, os PMs travavam um intenso tiroteio com traficantes do morro da Quitanda.

Ela chegou com vida ao hospital e passou por uma cirurgia de cerca de quatro horas, mas não resistiu aos ferimentos.

Também participam da reconstituição investigadores da Divisão de Homicídios (DH) e da divisão de elite da Polícia Militar, o Bope, cujas armas utilizadas no dia da operação --dois fuzis-- foram encaminhadas para perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli. O laudo conclusivo deve ficar pronto nos próximos 15 dias.

Manifestação

Também hoje, a ONG Rio de Paz promoverá um ato em memória de Bruna, às 13h30, na praia de Copacabana, na zona sul do Rio. O corpo da menor foi enterrado no sábado (28).

Os ativistas da ONG pretendem utilizar uma faixa de areia para estender uma grande faixa com o número da sepultura de Bruna. Não há informações sobre a participação ou não de familiares da vítima.

O protesto a ser realizado pelo Rio de Paz é semelhante a manifestações anteriores organizadas em casos de mortes de crianças, tais como a do menino Juan Moraes, por exemplo, que teria sido assassinado por policiais militares, segundo o Ministério Público, no decorrer de uma operação, em junho do ano passado, para reprimir o tráfico de drogas na comunidade do Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Cotidiano