PUBLICIDADE
Topo

Prefeitura do Rio acolhe 63 pessoas em operação de combate ao crack na zona norte

Do UOL, em São Paulo

24/10/2012 11h15

A Secretaria de Assistência Social (Smas) do Rio de Janeiro realizou na manhã desta quarta-feira (24) uma operação para acolher 63 pessoas em situação de rua e usuárias de crack na região da comunidade Parque União, na zona norte da capital fluminense.

Segundo a Smas, a ação visava “a retirada de população em situação de rua e de combate ao crack”. Três das 63 pessoas acolhidas são adolescentes.

A abordagem teve início às 7h30 e o acolhimento foi realizado por 20 profissionais do Smas, entre eles educadores sociais, psicólogos, além de assistentes sociais da 4ª Coordenadoria de Assistência Social (CAS) do municípiol.

Agentes do 22º BPM (Batalhão de Polícia Militar) e da DCAV (Delegacia da Criança e Adolescente Vítima) deram apoio à operação, a terceira promovida pela Prefeitura do Rio na região, após a ocupação por forças de segurança das comunidades do Jacarezinho e do Complexo de Manguinhos.

Todos os acolhidos serão encaminhados para as unidades da Rede de Proteção Social do município.

Internação compulsória

A operação ocorre dois dias depois de o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), visitar a comunidade de Jacarezinho e Manguinhos, ambas na zona norte da cidade. Na ocasião, ele afirmou que a prefeitura irá internar compulsoriamente os adultos dependentes de crack.

"Não vou ficar de camarote assistindo as pessoas se drogarem nas ruas. Gente quase se jogando debaixo dos carros na avenida Brasil. Não vou ficar no debate ideológico. Nossa obrigação é salvar vidas", afirmou o prefeito.

Na semana passada, 67 pessoas --entre elas cinco adolescentes-- foram recolhidos em outra operação da Smas na região do Parque União. Os moradores de rua e usuários de drogas foram identificados e encaminhados para abrigos.

Após a ocupação das comunidades do Jacarezinho e Manguinhos, muitos usuários de crack foram a outros pontos da cidade. Um grupo foi para a frente do Departamento Náutico do São Cristóvão Futebol e Regatas, em Ramos, bairro vizinho, também no subúrbio, e improvisou acampamento no local.

Outros grupos de usuários da droga se espalham nas entradas de comunidades próximas, como Nova Holanda.

Cotidiano