Topo

Especialista do Maranhão desmente fim do mundo no calendário maia

Divulgação
Professor Alexandre Navarro explica que os maias não acreditavam no fim do mundo Imagem: Divulgação

Priscila Tieppo

Do UOL, em São Paulo

2012-12-14T06:00:00

14/12/2012 06h00

Dia 21 de dezembro vem sendo considerado o marco do fim do mundo para algumas crenças que se baseiam no calendário dos povos maias – civilização que vivia no México entre os anos de 2.000 a.C. (antes de Cristo) e 1.519 d.C (depois de Cristo).  Mas o Prof. Alexandre Navarro, especialista em cultura maia na UFMA (Universidade Federal do Maranhão), desmente que o calendário deste povo anunciasse o final dos tempos. “Eles nunca falaram em fim do mundo, mas, sim, em fim de ciclo”, explicou Navarro.

O especialista explica que o calendário era uma forma de marcar períodos e que quando um ciclo completava 52 anos na roda calendárica (ou 5.126 anos, pois era um sistema complexo), era zerado. E é este marco que aparece nos registros antigos destes povos, tendo seu fim em 2012.

“O dia 21 é o fim de um ciclo, não o fim do mundo. Para nós, o fim do ano é dia 31, mas o dia 21 foi obtido com cálculos que se baseiam em uma média dos anos, que nem sempre têm 365 dias. O fim dos calendários são símbolos de renovação. No mundo maia nada termina, tudo se transforma”, disse.

Então, por que as pessoas insistem em acreditar que o mundo pode acabar? “A questão do fim do mundo diz respeito às religiões judaico-cristãs, cujos relatos retratam episódios relacionados a este tema, como é o caso do livro do Apocalipse da Bíblia. Portanto, a questão do fim dos tempos é uma preocupação ocidental, é um assunto que está presente em nossa cultura através das tradições religiosas. O fato de crermos nessas tradições, não significa que, outras culturas, em outras regiões geográficas, e em diferentes períodos da história, obrigatoriamente tivessem as mesmas concepções de criação e destruição do mundo. Os mitos e lendas maias não tratam dessa temática”, afirmou Navarro.

Para as religiões

O livro do Apocalipse da Bíblia foi escrito pelo apóstolo João e descreve o que os cristãos chamam de “a segunda vinda do Cristo”. Segundo o texto, Jesus desceria à Terra para o juízo final – de vivos e mortos -, o que seria o fim do mundo.

Padre Antônio Aparecido Pereira, vigário episcopal para as comunicações na Arquidiocese de São Paulo, afirmou que a data em que o fim chegará ninguém pode prever. “Cristo descreveu  o fim com sinais da natureza, guerras, cataclismos, terremotos, coisas que vêm acontecendo ultimamente, mas ninguém sabe o dia nem a hora, só o Pai”, disse. “Portanto, passaremos bem pelo dia 21 porque ainda há muito a ser feito”, complementou Pereira.

A religião espírita também se baseia nos livros da Bíblia para dizer que “não se sabe a data do fim deste mundo”, e acredita que o ser humano pode habitar outras galáxias mais evoluídas, já que os espíritas creem na reencarnação.

Segundo texto escrito pelo espírita Antônio Demarchi, da Federação Espírita de São Paulo, “a humanidade feliz que permanecer na terra, os mansos de coração e sentimento, herdarão um planeta a ser reconstruído segundo os ditames amorosos do Cristo e do Pai Eterno”. Ou seja, para eles, o mundo continuará existindo.

Os evangélicos também acreditam no final dos tempos conforme é relatado na Bíblia. O missionário R.R. Soares, da igreja evangélica Internacional da Graça de Deus, explica em seu site oficial que “Deus virá como ladrão” – sem avisar.  “O Apocalipse não informa quando acontecerá a segunda vinda do Senhor Jesus, mas exorta o tempo todo os leitores a se prepararem para o que irá acontecer.”

Pelo mundo

Após receber uma enxurrada de cartas de pessoas seriamente preocupadas com teorias que preveem o fim do mundo no dia 21 de dezembro de 2012, a Nasa (Agência Espacial Norte-Americana) resolveu "desmentir" esses rumores na internet.

Segundo o astrobiologista David Morrison, do Centro de Pesquisa Ames, da Nasa, foi necessário explicar ao mundo que o calendário maia trata apenas do fim de um ciclo, pois algumas pessoas estariam pensando em suicídio.

Estamos fazendo isso porque muitas pessoas escrevem para a Nasa pedindo uma resposta (sobre as teorias do fim do mundo). Em particular, estou preocupado com crianças que me escrevem dizendo que estão com medo, que não conseguem dormir, não conseguem comer. Algumas dizem que estão até pensando em suicídio", afirmou Morrison à “BBC”.

A Rússia, um país com uma inclinação para o pensamento místico, colocou o governo russo em alerta. Após as pessoas irem aos mercados para estocar comidas e velas e erguerem um templo de gelo, chamado de portal maia, o governo decidiu vir a público para explicar que o mundo não vai acabar.

Seu ministério de situações emergenciais afirmou que teve acesso a "métodos de monitoramento do que está acontecendo no planeta Terra" e que podia afirmar, com certeza, que o mundo não vai acabar em dezembro, de acordo com o jornal “The New York Times”.

Já o México tem lucrado com estas profecias. De acordo com a “BBC”, o governo mexicano aproveitou o interesse mundial sobre a eventual desaparição da espécie humana e há vários meses lançou uma intensa campanha de promoção na Europa e nos Estados Unidos chamada Mundo Maia, que inclui banquetes preparados por alguns dos melhores chefs do planeta, concertos musicais, filmes, sorteios de loteria, concursos artísticos, encontros religiosos, exposições fotográficas, mergulho em rios subterrâneos e descontos na compra de automóveis.

A secretaria de Turismo do México  disse que a estratégia teve sucesso e superou as expectativas iniciais.

O Estado de Yucatán, no sudeste do México, que abriga a maior concentração de população de origem maia, por exemplo, oferecerá ao turista a “ceia do fim do mundo”, um banquete de nove pratos preparados por estrelas internacionais da cozinha. O preço por cabeça é equivalente a R$ 810.

Mais Cotidiano