PUBLICIDADE
Topo

Pedreiro tem lâmina de faca alojada no peito há três meses

Claudinei Geraldo da Silva, 26, levou um susto ao fazer exame de raio-X na última quinta-feira - Reprodução de TV/TV Integração Araxá
Claudinei Geraldo da Silva, 26, levou um susto ao fazer exame de raio-X na última quinta-feira Imagem: Reprodução de TV/TV Integração Araxá

Renata Tavares

Do UOL, em Uberlândia (MG)

19/02/2013 14h53

O pedreiro Claudinei Geraldo da Silva, 26, levou um susto ao fazer um exame de raio-X, na última quinta-feira (14), em Araxá (363 km de Belo Horizonte). Ele descobriu uma lâmina de uma faca de aproximadamente 10 centímetros alojada no tórax. Silva afirmou que sente dores desde novembro, mês em que foi roubado ao sair de um bar e foi agredido por um dos suspeitos.

Claudinei disse que, na noite do roubo, ele tinha saído de um bar com a namorada, quando dois homens arremessaram um tijolo no vidro da caminhonete dele e os estilhaços atingiram o seu braço. Em seguida, um dos homens teria esfaqueado o pedreiro. “Eu fui para o Pronto Socorro da Santa Casa e fiquei lá 40 minutos. Fui atendido, o médico deu os pontos e me liberou”, disse.

Desde a data, segundo o pedreiro, as dores na região do peito eram intensas. Ele conta que chegou a tomar comprimidos durante um mês para que as dores cessassem. “A dor nunca passa. Não consigo nem trabalhar, porque sinto dores no braço e dificuldade para me mexer”, conta.

No dia 14 deste mês, Claudinei da Silva conta que procurou um posto de saúde e pediu para que fosse feito o exame de raio-X e só então descobriu o motivo das dores. “Eu não imaginava que pudesse ser isso. Levei um susto e agora quero que seja feita a cirurgia para retirada. Não quero ficar mais três meses com dores”, disse.

A Secretaria de Saúde do município informou, por meio de assessoria de imprensa, que acompanha o caso de Silva. Ainda de acordo com Secretaria de Saúde, o caso só foi tornado público nesta semana, pela imprensa. 

Claudinei disse que não pretende processar o médico que deu os pontos no peito no dia em que foi roubado. "Todos nós erramos e eu só quero fazer a cirurgia para voltar a trabalhar", afirmou.

Cotidiano