PUBLICIDADE
Topo

Operação policial prende 14 pessoas em ocupação de favelas na zona norte do Rio

Do UOL, no Rio*

03/03/2013 10h02

Quatorze pessoas foram presas na ação deste domingo (3), durante a operação de ocupação das comunidades da Barreira do Vasco e do complexo do Caju. Dos presos, dez foram capturados pela Polícia Rodoviária Federal durante o cerco às estradas federais de acesso à cidade. A Polícia Civil prendeu outros quatro. As informações são da Secretaria Estadual de Segurança Pública, que mais cedo, falava em 12 presos.

Uma BMW branca que seguia em alta velocidade pela avenida Brasil (via que dá acesso ao local) fugiu após avistar o policiamento. A polícia apreendeu até o momento uma espada, 120 tubos de 'cheirinho-da-Loló' (entorpecente de clorofórmio e éter), quatro coletes, uma submetralhadora, uma imitação de espingarda, uma réplica de fuzil, 160 papelotes de maconha, facas e um caderno de anotações do tráfico. 

As forças policiais também apreenderam munição, radiotransmissores e dois carros roubados. O material ainda será contabilizado pelas polícias. 

Ocupação

As polícias Civil e Militar do Rio ocuparam as comunidades do Complexo do Caju e da Barreira do Vasco, na madrugada deste domingo (3). A ação também contou com o Bope, a tropa de elite da polícia carioca. É o início do processo de pacificação das 13 favelas do Complexo do Caju, na zona portuária do Rio. A ideia é instalar na área a 31ª e a 32ª UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora).

Por volta das 5h, o Bope entrou no Complexo do Caju através da favela do Parque Alegria (próximo ao cemitério do Caju). Na chegada, policiais em um blindado do tipo “piranha” removeram uma barricada formada por duas pedras grandes.

Relembre ação do Bope que achou casa e fotos de Nem na Rocinha, em novembro de 2012
Veja Álbum de fotos

A Barreira do Vasco foi ocupada em apenas 10 minutos. Desse modo, segundo a PM, a operação seguiu um esquema montado que previa o fechamento das entradas do complexo, em uma espécie de cerco.

Antes mesmo de amanhecer, um helicóptero da polícia fez voos rasantes com o objetivo de intimidar possíveis agressores, enquanto os blindados davam passagem às tropas pelas vielas da região.

*Com informações de Hanrrikson de Andrade e de Carolina Farias

Cotidiano