PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Chuva deixa 101 famílias desabrigadas em Rio Branco

Vista de bairro que ficou inundado depois de cheia do rio Acre, em Rio Branco - Prefeitura de Rio Branco/Divulgação
Vista de bairro que ficou inundado depois de cheia do rio Acre, em Rio Branco Imagem: Prefeitura de Rio Branco/Divulgação

Assem Neto

Do UOL, em Porto Velho

25/03/2013 19h35

O prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre (PT), decretou, na tarde desta segunda-feira (25), situação de emergência em razão do transbordamento do rio Acre por causa das chuvas. A todo, 101 famílias (414 pessoas) estão desabrigadas e foram encaminhadas ao Parque de Exposições da cidade. Outras 23 famílias (91 pessoas) encontram-se desalojadas e procuraram abrigo na casa de parentes.

Cinquenta homens do Exercito Brasileiro auxiliam na remoção das famílias e seus pertences nos bairros atingidos: Triângulo Velho, Quinze, Seis de Agosto, Taquari, Invasão da Seis de Agosto, Base, Baixada da Habitasa, Cadeia Velha, Adalberto Aragão, Triangulo Novo e Airton Senna.  A Eletrobrás distribuidora no Acre, a pedido da Defesa Civil, fará a interrupção no fornecimento de energia nessas regiões.

As cheias alcançaram 2.900 edificações, segundo o texto do decreto, “e quebrou a normalidade e rotina das famílias, causando impactos negativos ao sistema de transporte, na saúde pública e na segurança global, afetando a integridade e a segurança da população”. Outros 100 abrigos públicos estão sendo improvisados.

“Teremos mais liberdade para angariar recursos e material humano de maneira eficiente”, disse o coordenador da Defesa Civil do Município, tenente-coronel George Luis Pereira.  “Nós temos o compromisso de arcar com o imenso ônus causado pela ocorrência e magnitude deste evento”, disse o prefeito.

A Prefeitura de Rio Branco convocará voluntários para reforçar as ações de resposta à situação emergencial e encaminhará campanhas de arrecadação de recursos e donativos junto à comunidade. O decreto tem duração de um mês, podendo ser prorrogado por mais 180 dias.

Seis grandes áreas rurais da capital acreana também são atingidas: Panorama, Liberdade, Boa Água, Bagaço, Comunidade da Extrema e Panorama Ribeirinho.

Cotidiano