PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Prefeitura muda ponto de ônibus e não avisa usuários no bairro de Pinheiros, em São Paulo

Marivaldo Carvalho

Do UOL, em São Paulo

25/03/2013 20h05

Dezenas de passageiros de ônibus e micro-ônibus que costumam pegar ônibus no ponto da rua Fernão Dias, no bairro de Pinheiros (zona oeste de São Paulo)  foram pegos de surpresa na volta para casa no início da noite desta segunda-feira (25). A Prefeitura desativou o ponto de parada da rua Fernão Dias e os usuários deveriam tomar o ônibus na altura do número 66 da rua Sumidouro. Por volta das 18h30, vários usuários que esperavam o transporte no local foram avisados pela reportagem do UOL que os ônibus não estavam mais parando ali.

Foi o caso da passadeira Katia Carvalho dos Santos, 36, que esperava o ônibus Rio Pequeno/Jd. Arpoador em vão. "Já dei sinal para dois e nenhum parou", disse. Ao ser informada de que os ônibus não estavam parando ali, afirmou: "É chato, né? Se não tivesse avisado iria ficar aqui de bobeira. Quando vi o ponto arrancado, desconfiei. Deveriam (a prefeitura) ter colocado uma placa para avisar", reclamou.

Já o carpinteiro José Souza do Nascimento, 40, que trabalha no Morumbi (zona sul) pega ônibus da linha Cohab Raposo Tavares ali há quatro anos. "Achei estranho não ver o ponto. É uma falta de respeito (não ter avisado). A supervisora Andreia de Jesus, 32, moradora do Jardim Jaqueline, (zona oeste), estava indignada. "É uma sacanagem. Não sei se aqui ainda é ponto. Vou ficar esperando. Vou dar sinal, se não parar, vou procurar outro ponto. Cadê o cartaz com a informação?", questionou.

A balconista Jucilene Santos de Almeida, 21, estava no ponto com a tia, a empregada doméstica Maria Conceição de Oliveira, 54, e aguardava o ônibus da linha Rosa Maria/Jd. Jaqueline. "Por isso que a gente dá sinal e não para. Estamos perdendo tempo aqui. Que falta de respeito, viu", disse a empregada doméstica.

A empregada doméstica Joseneide Maria da Silva, 30, moradora de Osasco, trabalha na Vila Madalena e esperava o ônibus da linha Circular. "Vi que tiraram o ponto, mas pensei que tiraram e iam colocar outro. Já é muito complicado chegar em casa. Pego três ônibus e hoje, então, só Jesus", afirmou.

A aposentada Maria José Dalpra dos Santos, 60, moradora do Jd. São Jorge (zona oeste) aguardava o ônibus com seu filho. Ela esperava o ônibus da linha Jd. Arpoador. "Vou caçar ele (o ponto). A gente dorme e acorda e não encontra mais o ponto.

A empregada doméstica Josefa Ricarte Furtado, 47, moradora de Osasco (Grande SP), que tomava o ônibus da linha Cohab Raposo Tavares ali há cinco anos, achava que o ponto seria trocado. "Pobre não tem vez. Só na época da eleição", reclamou.  Já a fiscal de loja Iolanda Maria da Silva, 37, moradora do Jd. Jaqueline (zona oeste), estava voltando do dentista com o filho Wellington, 12. "É errado a prefeitura fazer isso. No mínimo tinha que avisar. Se o ônibus não parar, vou procurar um ponto onde esteja parando", disse.                                             

A assessoria de imprensa da SPTrans (empresa que administra o transporte coletivo na cidade), não soube informar à reportagem por que os usuários não foram avisados que os ônibus não estavam parando no ponto da rua Fernão Dias.       

Interdição na Cardeal Arcoverde

Na última sexta-feira (22), a SPTrans informou por meio de press-release que no domingo (24) iria interditar o cruzamento da rua Cardeal Arcoverde com a rua Teodoro Sampaio, na região do Largo da Batata, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, de forma definitiva. A interdição visa mudar as configurações da via onde a prefeitura deve implantar um calçadão. Por conta da interdição, dizia o release, sete linhas de ônibus iriam sofrer alteração no itinerário.

A prefeitura também informou na sexta que os usuários das linhas Vila Piauí/Pinheiros, Metrô Barra Funda/Pinheiros, Cohab Educandário/Largo da Pólvora, Jd. Paulo 6º/Terminal Bandeira, Jd. João 23/Hospital das Clínicas, Jd. D' Abril/Pinheiros e Jd. Colombo/Pinheiros que pegam ônibus na rua Cardeal Arcoverde entre as avenidas Faria Lima e Teodoro Sampaio, deveriam pegar o ônibus na rua Fernão Dias. Já os passageiros das linhas que utilizam o ônibus na rua Sumidouro devem embarcar na mesma rua, porém na altura do número 66, uma quadra dali.
 

Cotidiano