PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Mantida, 7ª manifestação em SP será "ato para comemorar vitória do povo na rua", diz MPL

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

19/06/2013 18h14Atualizada em 19/06/2013 19h48

Representantes do MPL (Movimento Passe Livre) afirmaram nesta quarta-feira (19) que o anúncio de redução temporária das tarifas de transporte coletivo para R$ 3 não inviabilizará a manifestação marcada para esta quinta (20) na Praça do Ciclista, na avenida Paulista. Será o sétimo ato do gênero.

“Mas aí o que teremos será um ato para comemorar a vitória do povo na rua”, disse Mayara Vivian, uma das líderes do MPL. Segundo ela, que falou com a reportagem pouco antes do anúncio coletivo em que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT) anunciaram a redução temporária, o MPL se reunirá agora à noite para avaliar a medida e anunciar os próximos passos e detalhes do evento de amanhã.

Também líder do movimento, o professor de história Lucas Monteiro avaliou que "finalmente o poder público cedeu à pressão popular".

"Eles [governantes] perceberam que a definição da tarifa não é uma questão técnica, mas política. A gente trouxe esse debate à tona na esfera em que ele tinha que estar", defendeu.

Segundo Monteiro, o recuo do Estado e do município com a revogação do aumento "amplia o debate" sobre o transporte público nas capitais, não apenas em São Paulo. Ele citou também a redução da tarifa anunciada hoje também pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB).

"Agora é discutir a opção por se construir uma cidade pela qual as pessoas circulem sem que isso seja excludente a elas", disse, para completar: "E a decisão mostra que o cidadão pode produzir vitórias a partir da mobilização popular e construir uma cidade por onde ele possa, enfim, circular", concluiu.

A redução no preço das passagens de ônibus tampouco mudou a programação dos protestos pelo país, que devem ganhar as ruas de Norte a Sul nesta quinta-feira (20).

Na terça-feira (18), quatro capitais anunciaram a redução do preço das passagens de ônibus: Recife, Porto Alegre, João Pessoa e Cuiabá. Hoje (19), foi a vez de Aracaju, São Paulo e Rio de Janeiro anunciarem a queda dos preços. Todas essas capitais tiveram os protestos confirmados para a quinta-feira.

A sexta manifestação, ocorrida ontem, terminou com saques e depredações no centro de São Paulo provocadas por um grupo que não seguiu a manifestação até a avenida Paulista. Eles permaneceram em frente à prefeitura, e, por volta das 18h30, começaram a depredar o edifício e, em seguida, agências bancárias. Lojas das ruas Direita e Barão de Itapetininga foram depredadas e saqueadas.

A Polícia Militar agiu cerca de três horas após o início das depredações, com o envio de homens da Força Tática e da Tropa de Choque ao local. Ao todo, até esta tarde, 69 pessoas, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado, haviam sido detidas em função dos saques e das depredações --registradas também na região da avenida Paulista.

Cotidiano